EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Famílias dos reféns do Hamas pedem ajuda ao Parlamento Europeu

A woman touches photos of Israelis missing and held captive in Gaza, displayed on a wall in Tel Aviv
A woman touches photos of Israelis missing and held captive in Gaza, displayed on a wall in Tel Aviv Direitos de autor Petros Giannakouris/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Petros Giannakouris/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Isabel Marques da SilvaMaria Psara com AP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Passado mais de um mês desde que cerca de 240 pessoas foram feitas reféns pelo Hamas no ataque a Israel, alguns familiares das vítimas pediram apoio ao Parlamento Europeu, em Bruxelas.

PUBLICIDADE

"Este é o meu filho que está a ser espancado, atirado para o carro, algemado. Ele continua a olhar para a câmara (do telemóvel) com ar zangado como se dissesse "não me batam, estou algemado. O meu filho Omer tem 22 anos, é um rapaz muito bem parecido, muito bonito. Só foi a uma festa, ao festival Nova, para celebrar a felicidade, a liberdade e o amor", disse Shai Wenkert à euronews.

Quatro familiares de reféns israelitas, acompanhados do ministro dos Negócios Estrangeiros, Eli Cohen, partilharam as suas histórias com os eurodeputados e a imprensa,quarta-feira, em Bruxelas.

A pressão diplomática vinda de todo o mundo é crucial para conseguir a libertação dos reféns, consideram estes familiares, que também tem passaportes de países europeus.

Até agora o Hamas libertou apenas quatro pessoas, tendo uma militar sido resgatada pelas forças israelitas.

"Eu beijaria os filhos do raptor"

Já a fazer o luto pela sogra que foi assassinada, Yoni Asher quer ter de novo junto de si a mulher e as suas duas filhas.

"É difícil descrever as emoções numa situação destas. Não podia fazer nada, estava desamparado. Eu não podia fazer nada, a não ser cair no chão. Mas há pouco tempo, decidi que ou lutava pela vida da minha família ou morria. Por isso, não tenho duas opções, só tenho uma", disse à euronews.

A retaliação militar israelita já causou mais de dez mil mortos em Gaza, dos quais cerca de 40% são crianças. Uma tragédia humanitária que também choca estes cidadãos.

"Sabe uma coisa? Se o filho ou filha  daquele que raptou as minhas bebés estivesse aqui ao meu lado, agora, sabe o que eu faria? Abraçava-os e beijava-os. Sabe porquê? Porque as crianças são crianças. O que fariano meu lugar? O que faria se os seus filhos fossem raptados da sala de estar da avó? Não usaria todos os meios que tem para os trazer de volta e salvar as suas vidas?", acrescentou Yoni Asher.

Nesta visita, o chefe da diplomacia israelita reuniu-se com a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, e com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, as primeiras líderes estrangeiras a visitar Israel e a expressar a sua solidariedade para com o Estado judaico, poucos dias depois do massacre de 7 de outubro.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que poderia decretar "pequenas pausas humánitarias" nos combates na Faixa de Gaza se estas permitissem libertar reféns, mas alguns familiares questionam-se sobre porque é que as negociações não estão a produzir mais resultados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Familiares de reféns israelitas pedem ajuda ao Parlamento Europeu

Netanyahu classifica vídeo de reféns como "propaganda psicológica cruel"

Manifestações pela libertação do reféns em Genebra e contra Israel em várias capitais europeias