EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidente do Quénia apela a relações "recíprocas" entre África e UE

O Presidente do Quénia, William Ruto, instou a Europa a melhorar as difíceis condições de financiamento enfrentadas pelos países africanos.
O Presidente do Quénia, William Ruto, instou a Europa a melhorar as difíceis condições de financiamento enfrentadas pelos países africanos. Direitos de autor European Union, 2023.
Direitos de autor European Union, 2023.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

William Ruto, presidente do Quénia, apelou, na terça-feira, a uma relação "recíproca" e "equilibrada" entre o continente africano e a União Europeia (UE), num discurso no Parlamento Europeu, em Estrasburgo (França).

PUBLICIDADE

William Ruto defendeu uma revisão "fundamental" das instituições financeiras que têm governado a economia global desde o final da Segunda Guerra Mundial, afirmando que estas alimentaram um ciclo de "endividamento e dependência" e que, por isso, deixaram de ser "adequadas ao seu objetivo".

"A divisão entre o Leste e Oeste é insustentável e contraproducente, trabalhando contra os interesses de todos nós", disse Ruto, à assembleia de eurodeputados.

"As alterações climáticas introduziram uma nova dimensão nesta equação complexa. Embora representem uma ameaça existencial, as alterações climáticas surgiram, também, como uma força niveladora, igualando-nos a todos face a um desafio global partilhado que transcende todas as divisões", acrescentou.

Ruto foi eleito em setembro do ano passado e adotou uma política externa destinada a melhorar as relações com os países ocidentais, depois de os seus antecessores terem tido uma abordagem de "olhar para oriente", para aprofundar os laços com a China.

Esta mudança é bem acolhida em Bruxelas, que tenciona mobilizar até 150 mil milhões de euros em projetos de infra-estruturas para contrariar a influência do governo de Pequim na região.

Masa vontade de cooperar não deve ser entendida como uma carta branca para explorar os recursos naturais do Quénia, incluindo as matérias-primas, em benefício exclusivo das nações ricas, avisou o presidente. África, disse, "ainda carrega as cicatrizes do colonialismo, que permanecem visíveis nas dependências económicas e institucionais que continuam a impedir o progresso".

Difícil acesso aos mercados financeiros globais

As difíceis condições de financiamento enfrentadas pelos países africanos nos mercados foram realçadas. Os investidores, preocupados com circunstâncias inesperadas e instabilidade política, exigem prémios elevados para se protegerem contra os riscos. Este padrão, argumentou Ruto, conduziu a "custos de capital proibitivos" que impedem o continente de explorar o seu potencial e agravam o fosso económico entre o Norte e o Sul do planeta.

Navegamos numa nova era de interdependência global e esta precisa de evoluir para uma relação recíproca.
William Ruto
Presidente do Quénia

Se o acesso ao financiamento melhorasse, África poderia tornar-se uma "potência ecológica" que ajudaria o mundo a libertar-se dos combustíveis fósseis e a cumprir os objetivos do Acordo de Paris para diminuir os gases poluentes com efeito de estufa. 

Ruto também encorajou os governos e as empresas da UE a investirem na juventude africana em rápido crescimento e a "criar uma economia vibrante e autossustentável" que possa abrandar os fluxos migratórios, uma preocupação premente para o bloco.

"Navegamos numa nova era de interdependência global e esta precisa de evoluir para uma relação recíproca. Uma mudança para uma parceria global mais equilibrada e equitativa com uma transferência deliberada de tecnologias e um fluxo intencional de capital para o Sul Global", defendeu Ruto. "Isto também significa um lugar à mesa para procurar soluções que funcionem para todos nós num espírito de cooperação e compreensão mútua", concluiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comandante das Forças Armadas do Quénia morre em acidente de helicóptero

UE compete com China no investimento em países em desenvolvimento

Quénia assina acordo comercial com UE