UE já prepara reconstrução sustentável da Ucrânia pós-guerra

O maior desafio é desenvolver a economia com base em indústrias e atividades não poluentes
O maior desafio é desenvolver a economia com base em indústrias e atividades não poluentes Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Sandor Zsiros
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A União Europeia (UE) e o governo da Ucrânia já iniciaram os preparativos para a reconstrução do país de forma sustentável, após o término da guerra. Um encontro com dirigentes políticos e agentes do setor privado, em Vilnius, na Lituânia, definiu as prioridades para vários domínios.

PUBLICIDADE

A invasão em larga escala da Ucrânia pela Rússia teve efeitos devastadores por todo o país, sendo um exemplo icónico a destruição da barragem de Kakhovka, que causou um dos maiores desastres ambientais desde a explosão na central nuclear de Chernobyl.

"Temos uma oportunidade única de reconstruir melhor e de forma mais ecológica. Quando falamos de cidades que foram destruídas, quando falamos do planeamento sustentável dessas cidades, devemos usar o conhecimento mais recente. Estou muito satisfeito por ver muitos arquitetos na Europa a dedicar o seu tempo a essa questão", disse Virginijus Sinkevičius, comissário europeu do Ambiente, em entrevista à euronews.

"Tanto os edifícios públicos como os residenciais, que foram destruídos, terão de ser energeticamente eficientes, todos terão de ser alimentados com energias renováveis", deu como exemplo.

A Ucrânia é um dos países mais minado do mundo, o que causa perda de vidas humanas e de espécies de fauna e flora. 

Além da recuperação da natureza, o maior desafio é desenvolver a economia com base em indústrias e atividades não poluentes. A Ucrânia precisa de reformar a rede energética e reconstruir edifícios públicos e residenciais segundo essas regras.

Alinhamento do investimento com as normas das UE

Muitas empresas europeias já manifestaram o seu interesse, sobretudo nos setores da construção civil e de tratamento de recursos hídricos e resíduos. Mas o governo da Ucrânia quer que haja um alinhamento do investimento com as normas das UE.

"Não estamos a falar apenas de apoio internacional direto para reconstruir seja o que for. Estamos a falar de investimentos e, em primeiro lugar, precisamos de cooperação e diálogo com os investidores para construir novas instalações, novas tecnologias, para construir novas indústrias, mas utilizando as melhores soluções disponíveis e segundo a legislação europeia", disse Ruslan Strilets, ministro da Proteção Ambiental e Recursos Naturais da Ucrânia, em entrevista à euronews.

Segundo a Comissão Europeia, a reconstrução da Ucrânia terá um custo astronómico e deverão ser usados, também, recursos da Rússia, nomeadamente os que estão congelados em instituições financeiras fora do país.

Outro desafio para a reconstrução será a estratégia para incluir os cerca de seis milhões de ucranianos refugiados noutros países e a contribuição financeira que poderão dar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apoio à Ucrânia em risco no último Conselho Europeu de 2023

Três mortos e vários feridos, vítimas de bombardeamentos russos em Kherson

"Estado da União": Está a chegar a hora de negociar a paz na Ucrânia?