Sánchez, de Espanha, critica a direita política num debate aceso no Parlamento Europeu

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez no Parlamento Europeu em Estrasburgo
O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez no Parlamento Europeu em Estrasburgo Direitos de autor Frederic MARVAUX/ European Union 2023 - Source : EP
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, criticou na quarta-feira a direita europeia por se ter prestado a ideologias de extrema-direita, num confronto aceso no Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

Num debate destinado a celebrar as realizações de Espanha durante a sua presidência rotativa de seis meses do Conselho da União Europeia, Sánchez atacou o líder do Partido Popular Europeu, o democrata-cristão alemão Manfred Weber.

Weber é um crítico declarado do polémico acordo celebrado entre o partido socialista de Sánchez e o partido separatista catalão Junts per Catalunya. O acordo prevê que o Junts ofereça sete dos seus votos no parlamento espanhol para tornar Sánchez primeiro-ministro, em troca de uma amnistia para os líderes políticos responsáveis pela tentativa falhada de secessão da Catalunha de Espanha em 2017.

O líder do Junts, Carles Puigdemont, o líder catalão exilado que organizou o referendo de 2017 sobre a independência da Catalunha e que beneficiará pessoalmente da amnistia, também esteve presente no debate em Estrasburgo, na quarta-feira.

"Não é a escolha de reunir e ultrapassar a disputa política através de uma política que ameaça a democracia. De modo algum. A verdadeira ameaça em Espanha e na Europa é a ascensão da extrema-direita", disse Sánchez, defendendo os seus planos.

"A irresponsabilidade da direita tradicional, que abre a porta a governos de coligação (com a extrema-direita) e assume muitas das suas ideias extremistas: esta é a verdadeira ameaça que paira sobre o projeto europeu", continuou Sánchez.

"Este duo reacionário enfraquece, Sr. Weber, o projeto europeu", acrescentou.

Weber, cujo grupo político abriga a oposição conservadora espanhola, o Partido Popular (PP), tem criticado constantemente Sánchez por desrespeitar o Estado de direito e a separação de poderes em Espanha para absolver crimes, incluindo desvio de fundos e má administração, cometidos por líderes catalães para obter ganhos políticos.

O Presidente do Parlamento Europeu afirmou que a Europa está "preocupada" com a amnistia e que a Comissão Europeia está "a fazer perguntas sérias".

"No texto da coligação que assinou, prometeu a Puigdemont uma comissão especial no parlamento espanhol para verificar o julgamento, uma comissão especial sobre lawfare. Isso vai fundamentalmente contra o Estado de direito, contra a separação de poderes", disse Weber.

O ministro da justiça espanhol, Félix Bolaños, afirmou no final de novembro que o executivo da UE tinha "zero preocupações" sobre o acordo político e a lei de amnistia. Didier Reynders, chefe da justiça da UE, afirma que a Comissão vai continuar a dialogar com as autoridades espanholas antes de emitir um parecer jurídico consolidado sobre a lei da amnistia e a sua conformidade com a legislação da UE.

Weber também comparou as acções de Sánchez a violações do Estado de direito cometidas por governos de extrema-direita na Polónia e na Hungria, que levaram Bruxelas a suspender o financiamento da UE.

"Vamos trazer de volta o Estado de direito à Polónia e faremos o mesmo em Espanha", disse Weber, prometendo apoiar o líder da oposição espanhola, Alberto Núñez Feijóo.

Sánchez acusou Weber de formar opiniões pouco informadas sobre Espanha e de dançar ao som do partido Popular.

"Estou verdadeiramente feliz por, após vinte anos nesta câmara, ter começado a interessar-se pelo que se passa em Espanha", disse Sánchez, perante as vaias dos grupos de direita presentes no hemiciclo, levando a Presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, a apelar aos deputados para que "respeitem a dignidade" da câmara.

"Mas se querem realmente ajudar, a minha recomendação, Senhor Deputado Weber, é que conheçam primeiro o nosso país e que não se limitem a repetir as afirmações infundadas que o partido conservador espanhol vos transmite", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lei de amnistia espanhola suscita debate aceso no Parlamento Europeu

Espanha: Parlamento Europeu debaterá legalidade de acordo de amnistia

Von der Leyen não quer trabalhar com "amigos de Putin" no Parlamento Europeu