Maior telescópio submarino da Europa revela o que realmente se passa no mar... e no universo

Em parceria com The European Commission
Maior telescópio submarino da Europa revela o que realmente se passa no mar... e no universo
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Neste episódio de "Smart Regions", mergulhamos no laboratório subaquático da Sicília que nos poderá ajudar a compreender melhor as origens do universo.

O IDMAR é o maior telescópio submarino da Europa. Está localizado ao largo da costa de Portopalo di Capo Passero, no extremo sul da Sicília.

Os nós esféricos submarinos observam e escutam o que se passa no Mediterrâneo, transmitindo informações valiosas aos investigadores em tempo real.

"O IDMAR está situado a 100 quilómetros daqui, a leste, e através deste cabo, a 3,5 quilómetros de profundidade, fornece-nos informações sobre geofísica, vulcanologia, biologia e, sobretudo, mostra-nos como é feito o universo", explicou Giacomo Cuttone, coordenador científico do IDMAR.

A partir do sopé do Monte Etna, na cidade oriental de Catânia, o Instituto Italiano de Física Nuclear coordena este projeto europeu.

Simone Biagi pertence à equipa de investigação multidisciplinar deste laboratório subaquático, situado a 3,5 km abaixo do nível do mar, precisamente no ponto em que a parte sul da placa europeia se encontra com a parte norte da placa africana. Com o IDMAR, é possível fotografar e cartografar esta zona sísmica.

Mas os investigadores estão também a tentar responder a uma questão muito mais vasta sobre o universo, estudando partículas elementares raras chamadas neutrinos que viajam através da terra, do mar e do espaço.

"Os neutrinos podem certamente dar uma resposta muito importante para compreender a origem dos raios cósmicos", disse Simoni Biagi ao Smart Regions.

"Os raios cósmicos provêm de partículas que nos bombardeiam, que bombardeiam a Terra. E nós ainda não sabemos de onde vêm esses raios cósmicos. Se começarmos a medir, a ver neutrinos vindos do universo, isso explica de alguma forma de onde viemos".

O IDMAR é constituído por 28 linhas, cada uma composta por 18 esferas equipadas com milhares de sensores.

Como é financiado o IDMAR?

O orçamento total é de 40 milhões de euros, dos quais 19 milhões de euros provêm da política de coesão da UE e 1 milhão de euros da região da Sicília.

Os parceiros deste projeto incluem o Instituto Nacional de Física Nuclear, os Laboratórios Nacionais do Sul em Catânia (implementados em parceria com o Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia em Palermo e Messina) e o Instituto para o Estudo dos Impactos Antrópicos e da Sustentabilidade no Ambiente Marinho em Capo Granitola, Trapani.

Iluminar a vida marinha subaquática

No laboratório de integração de cordas do INFN-LNS, no porto de Catânia, Giuseppina Larosa ocupa-se dos ouvidos do IDMAR.

Cada esfera está equipada com um hidrofone - um dispositivo subaquático que deteta e regista os sons do oceano em todas as direções.

Esferas subaquáticas.
Esferas subaquáticas.Euronews

O que é que descobriram ao estudar o murmúrio do mar a profundidades tão grandes?

"Com o IDMAR, pensámos que já não havia baleias no Mediterrâneo, apenas cachalotes", revelou Giuseppina Larosa.

"No entanto, descobrimos que elas se deslocavam, mas a profundidades maiores. Graças ao som, sabemos onde estão e para onde se estão a deslocar".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Os tesouros escondidos da cidade eslovena de Ptuj

Autoestrada europeia de dados no fundo do mar funciona sem parar

Calculadora Eureka ajuda setor audiovisual a reduzir pegada ecológica