EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Extrema-esquerda francesa pede ao governo que reconheça o Estado da Palestina

Apoiantes do partido de extrema-esquerda La France Insoumise (Não se deixa abater) assistem a um comício político, sábado, 25 de maio de 2024 (AP Photo/Aurelien Morissard)
Apoiantes do partido de extrema-esquerda La France Insoumise (Não se deixa abater) assistem a um comício político, sábado, 25 de maio de 2024 (AP Photo/Aurelien Morissard) Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O líder do partido de extrema-esquerda francês LFI disse aos seus apoiantes num comício no sábado que era altura de o país reconhecer o Estado palestiniano.

PUBLICIDADE

A extrema-esquerda francesa reuniu-se no sábado antes das eleições europeias.

O líder do partido de extrema-esquerda francês La France Insoumise (LFI) disse aos apoiantes num comício que este é o momento de reconhecer oficialmente a Palestina.

Jean-Luc Mélenchon falou aos seus apoiantes na cidade de Aubervilliers, perto de Paris, numa altura em que a campanha para as eleições europeias de 2024 entra nas últimas semanas.

"A França tem de reconhecer o Estado palestiniano agora", disse Mélenchon. "O equilíbrio de poderes tem de mostrar que o mundo inteiro condena este genocídio".

A candidata do LFI, Manon Aubry, também se juntou a ele no palco. Manon Aubry, candidata do LFI, também se juntou a ele no palco e afirmou que o seu partido irá aplicar sanções contra Israel se for eleito, bem como suspender o envio de armas para o país.

Os seus comentários surgem num contexto de crescente condenação mundial da dura ofensiva militar de Israel em Gaza.

Três Estados europeus - Espanha, Irlanda e Noruega - anunciaram na quarta-feira o reconhecimento formal do Estado palestiniano, sete meses após o início da guerra de Gaza.

O ato, altamente simbólico, foi coordenado entre as três nações após meses de negociações entre um grupo de países europeus dispostos a dar esse passo.

Proposta pela primeira vez pela ONU em 1947, a solução dos dois Estados prevê a criação de duas nações separadas: uma para os judeus (Israel) e outra para os palestinianos (Palestina). Esta solução implicaria a divisão do território, com cada Estado a ter o seu próprio governo. O objetivo é permitir que ambas as partes vivam lado a lado de forma pacífica e independente.

A proposta tem a oposição de Israel, que afirma que "alimentará a instabilidade" no Médio Oriente.

Até à data, o Estado palestiniano foi reconhecido por 139 dos 193 Estados membros da Organização das Nações Unidas (ONU).

As eleições europeias realizam-se de 6 a 9 de junho. 450 milhões de pessoas em toda a União Europeia de 27 membros escolherão 720 legisladores para os próximos cinco anos.

Em França, a votação terá início a 9 de junho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jovens eleitores apoiam Bardella, novo líder da extrema-direita em França

Cidadãos suecos libertados pelo Irão reencontram as suas famílias em Estocolmo

Segurança nuclear e alimentar na agenda do segundo dia da cimeira de paz na Ucrânia