EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Alemanha: poderá o novo partido de extrema-esquerda travar a ameaça da extrema-direita nas europeias?

Cartaz de Sahra Wagenknecht pendurado em Hamburgo
Cartaz de Sahra Wagenknecht pendurado em Hamburgo Direitos de autor Donogh McCabe
Direitos de autor Donogh McCabe
De  Liv Stroud
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O novo partido de esquerda BSW foi criado em janeiro deste ano, mas já obteve a sua primeira vitória na Turíngia, um bastião da direita. Os especialistas prevêem que o partido poderá seduzir os eleitores de extrema-direita nas próximas eleições para o Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

A política de esquerda Sahra Wagenknecht separou-se do partido alemão Die Linke no ano passado para formar o seu próprio partido. A Aliança Sahra Wagenknecht - Razão e Justiça (BSW), que promete impedir o envio de armas para a Ucrânia, poderá dividir os votos da AfD, com a possibilidade de obter sete lugares nas eleições europeias.

Wagenknecht também defende o aumento do salário mínimo para 15 euros por hora e poderá enfraquecer as políticas relativas às alterações climáticas.

Muitos vêem o BSW como uma boa alternativa aos partidos de extrema-direita que ameaçam conquistar votos no Parlamento Europeu.

Durante o seu discurso na abertura da campanha eleitoral da UE em Hamburgo, há duas semanas, Wagenknecht capitalizou a crise do custo de vida que tem vindo a abalar grande parte da Europa.

"Li que o Sr. Scholz, o chanceler do nosso país, nos diz que não há problemas: Crise? Que crise? A economia está a crescer. Os investimentos futuros estão a fluir para a Alemanha'. Os que têm baixos rendimentos tiveram os maiores aumentos de rendimentos em muito tempo sob esta coligação", gritou perante uma audiência que aplaudiu.

Muitos, incluindo os apoiantes da extrema-direita, criticaram a atual coligação do "semáforo" (SPD-Liberais-Verdes) pelos seus orçamentos. Wagenknecht também condena o fornecimento de armas à Ucrânia e apela a negociações com Putin.

"Não, as armas não trazem paz, as armas trazem mais guerra e armas trazem mais morte. Essa é a realidade", disse.

O principal candidato do BSW, Fabio De Masi, também denunciou o governo, falando em corrupção a nível federal e apontando para o desaparecimento de mensagens de texto entre a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o chefe da Pfizer, Albert Bourla, durante as negociações sobre as vacinas contra a COVID-19.

De Masi também exige transparência na compra de ações por parte dos políticos.

"Estou certo de que, tal como aconteceu com os negócios bancários durante a grande crise, haverá alguns políticos que compraram ações da Rheinmetall. É por isso que nós, enquanto Aliança Sahra Wagenknecht, exigimos que as transações de acções por parte dos políticos sejam tornadas públicas", afirmou.

"Estas eleições europeias são também uma oportunidade para mostrar o cartão vermelho à coligação do semáforo. Mas não da forma como muitas pessoas na Alemanha fazem, por desespero, ao votar na AfD. Um partido que desperta ressentimentos. Um partido que quer reduzir os salários e as pensões. E um partido que defende o aumento da militarização na Alemanha. Este não é o caminho a seguir", acrescentou De Masi.

A estratégia de Wagenknecht de prometer impostos mais elevados para as grandes empresas e para as pessoas mais ricas parece estar a funcionar, uma vez que o partido recém-formado obteve a sua primeira vitória nas eleições locais da Turíngia - a primeira eleição a que concorreu.

Embora o partido tenha apenas alguns meses de existência, elegeu o seu primeiro presidente de câmara na pequena cidade de Bleicherode, com 56,6% dos votos. A Turíngia é um bastião da extrema-direita.

Muitos dos participantes no evento de abertura da campanha europeia em Hamburgo, com quem a Euronews falou, disseram que iam votar definitivamente no BSW ou que não tinham a certeza, mas que consideravam Sahra Wagenknecht "inteligente" e "razoável".

Posições polémicas sobre Ucrânia e imigração

Quase todos os entrevistados pela Euronews apoiaram a paz na Ucrânia e o fim do fornecimento de armas.

"Se vou votar neles, não sei. Mas muitas das coisas que Sahra Wagenknecht diz são verdadeiras, infelizmente. E porque a política falhou tão miseravelmente nos últimos anos, o partido AfD existe. Não é preciso criticar a AfD. Este partido foi criado porque não se fez uma política sensata. Em 2015, eles [o governo de Merkel] abriram o país e disseram: 'Venham cá' e, desde então, nada de significativo aconteceu. Falam de trabalhadores qualificados, mas vem todo o tipo de pessoas. Isto não pode continuar. A economia está a entrar em colapso e, como diz Sahra Wagenknecht, os Verdes ditam como as pessoas devem viver", afirmou uma reformada que disse ter trabalhado durante 40 anos.

O BSW poderá tornar-se a principal força de esquerda no Parlamento Europeu, procurando formar uma fação de esquerda, mas Wagenknecht deixou claro que não está de acordo com alguns dos seus membros, "por exemplo, em termos de migração".

O tema tem provocado repetidamente rixas entre Wagenknecht e o Die Linke, uma vez que o primeiro tem adotado uma posição dura em relação à imigração. Este facto poderá dificultar a formação de um bloco de esquerda após as eleições, que se realizam dentro de poucas semanas, e poderá causar problemas no Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

A própria Wagenknecht afirma que as suas políticas são "conservadoras de esquerda", combinando políticas económicas socialistas com atitudes conservadoras em relação à imigração.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha expulso do grupo Identidade e Democracia

O Parlamento Europeu está sob ameaça de espionagem?

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado