EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Zelenskyy procura assistência em matéria de segurança no Diálogo de Shangri-La em Singapura

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, chega ao Diálogo de Shangri-La em Singapura, a 1 de junho de 2024
O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, chega ao Diálogo de Shangri-La em Singapura, a 1 de junho de 2024 Direitos de autor Vincent Thian/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Vincent Thian/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Na sua visita a Singapura, Zelensky reuniu-se com o secretário da Defesa dos EUA, agradecendo por permitir que Kiev ataque alvos russos com armas americanas. O presidente de Timor-Leste e o recém-eleito presidente da Indonésia também conversaram com o homólogo ucraniano.

PUBLICIDADE

O Presidente ucraniano, Volodomyr Zelenskyy, reuniu-se com chefes de Estado para pedir assistência em matéria de segurança no Diálogo de Shangri-La, em Singapura.

À margem do encontro, Zelenskyy conversou com o secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin. O líder ucraniano escreveu num post que “discutiram questões fundamentais”.

Entre as questões citadas por Zelensky estão “as necessidades de defesa do nosso país, o reforço do sistema de defesa aérea da Ucrânia, a coligação F-16 e a elaboração de um acordo de segurança bilateral”.

Biden dá luz verde para atacar território russo

O Presidente ucraniano agradeceu ainda ao seu homólogo norte-americano Joe Biden “por ter tomado uma decisão importante relativamente a ataques defensivos com armas americanas em território inimigo para contrariar eficazmente as tentativas russas de expandir a zona de combate".

Zelensky agradece pela "a defesa vital e o apoio político dos EUA à Ucrânia” e confirmou deste modo que os EUA tinham dado luz verde para atacar alvos russos com armas americanas.

A notícia da aprovação tinha sido veiculada por vários meios de comunicação social nos últimos dias, seguida também pelo apoio da Alemanha. Washington e Berlim, no entanto, só autorizaram a utilização das armas para a defesa de Kharkiv.

Aproveitar o Diálogo de Shangri-La para reunir apoios para a cimeira da Paz

Zelenskyy tentou também reunir apoio de outros chefes de Estado para a cimeira internacional sobre a paz que terá lugar no final deste mês na Suíça.

Numa série de publicações no antigo Twitter (X), Zelenskyy afirmou ter-se encontrado com o presidente eleito da Indonésia, Prabowo Subianto, e com o presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta.

"A participação dos países do Sudeste Asiático na Cimeira inaugural da Paz Global é crucial, e estou grato ao Presidente Ramos-Horta por ter confirmado a sua presença", escreveu o líder ucraniano. "É muito importante para nós iniciar o processo de estabelecimento de uma paz justa", acrescentou.

"A Rússia não quer acabar com a guerra. Por isso, temos de trabalhar em conjunto com o mundo inteiro para aproximar a paz", concluiu Zelenskyy.

A Rússia não participou na cimeira de segurança de Shangri-La. Desde que invadiu a Ucrânia em 2022, o Kremlin tem evitado encontros semelhantes e a sua participação nas conversações na Suíça permanece incerta.

Neste domingo, Zelenskyy deverá falar na sessão de discussão final da cimeira de segurança sobre "Re-Imagining Solutions for Global Peace and Regional Stability".

A sua visita a Singapura tem lugar um dia depois da Rússia ter bombardeado as infraestruturas energéticas da Ucrânia com um ataque de drones e mísseis em grande escala que feriu pelo menos 19 pessoas.

Firefighters put out a fire on an apartment building damaged in a Russian missile attack in Kharkiv, May, 31, 2024
Firefighters put out a fire on an apartment building damaged in a Russian missile attack in Kharkiv, May, 31, 2024Andrii Marienko/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

O exército ucraniano informou que tinha derrubado 35 dos 53 mísseis lançados contra alvos em todo o país durante a noite de 1 de junho, bem como 46 dos 47 drones de ataque.

Foram registados feridos por funcionários em todo o país, incluindo na região ocidental de Lviv e na região central de Dnipropetrovsk.

Doze pessoas, incluindo oito crianças, foram hospitalizadas na sequência de um ataque perto de duas casas onde se encontravam abrigadas na região de Kharkiv, disse o governador Oleh Syniehubov.

Os ataques fazem parte de uma série de ataques contínuos da Rússia contra a rede eléctrica ucraniana, que se prolongam desde março.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy diz que Ucrânia será autorizada a atacar dentro da Rússia com armas ocidentais

Alemanha anuncia pacote de ajuda militar à Ucrânia de 500 milhões de euros

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica