EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

A aritmética do novo Parlamento Europeu

Será que a aritmética do Parlamento Europeu vai favorecer Ursula von der Leyen?
Será que a aritmética do Parlamento Europeu vai favorecer Ursula von der Leyen? Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Jack Schickler
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os partidos pró-europeus continuam a deter uma maioria confortável, de acordo com os dados divulgados após o encerramento das urnas nas eleições para a UE - mas as votações-chave para aprovar um novo executivo poderão ainda ser apertadas.

PUBLICIDADE

Os partidos pró-europeus deverão continuar a deter uma maioria significativa no Parlamento Europeu, mas isso não significa que a candidata presidencial Ursula von der Leyen tenha um percurso tranquilo.

Os dados divulgados após o fecho das urnas no domingo (9 de junho) mostram que a coligação de quatro partidos centristas poderá contar com um total de 462 deputados europeus.

Isto representa uma maioria saudável, mais de 64%, da legislatura que irá deliberar sobre a legislação da UE nos próximos cinco anos.

Mas um teste importante poderá surgir dentro de semanas, uma vez que os eurodeputados têm de aprovar os candidatos à liderança da Comissão Europeia - para os quais a atual Comissária von der Leyen é a opção mais provável.

Embora o Parlamento Europeu não tenha acordos formais de coligação como tal, von der Leyen tem contado com legisladores dos Verdes, dos Liberais e dos Socialistas, bem como do seu próprio Partido Popular Europeu, de centro-direita, desde que procurou nomeação para o seu primeiro mandato em 2019.

Mesmo assim, só conseguiu passar por sete votos, com apenas 383 votos a favor da sua candidatura numa votação secreta dos deputados.

Agora, com os Verdes e os Liberais a perderem 20 deputados cada um, será ainda mais difícil encontrar um número mágico de vitória.

Há razões para von der Leyen estar ainda otimista

Uma delas é o forte desempenho do seu próprio PPE, que, de acordo com os últimos dados, poderá ter mais de um quarto do hemiciclo - ou até mais, se a ele se juntarem outros recém-chegados.

O fraco resultado de 2019 pode, em parte, dever-se ao facto de os legisladores não terem procurado o apoio formal de nenhum grupo político - algo que ela retificou desta vez, indo para a campanha como candidata principal do PPE.

Poderá mesmo procurar apoio noutros países - embora as suas tentativas de cortejar o partido Irmãos de Itália, de Giorgia Meloni, possam, por sua vez, afastar o seu apoio da esquerda.

Nas próximas semanas, as atenções estarão viradas para Bruxelas e Estrasburgo, depois de a aritmética eleitoral se tornar mais clara - e para saber se von der Leyen consegue ultrapassar o seu próximo grande obstáculo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Emmanuel Macron anuncia eleições antecipadas depois de uma dura derrota nas eleições europeias

Eleições europeias: os vencedores e os vencidos em Bruxelas e em toda a Europa

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado