EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Polónia sente-se ameaçada pela Rússia e tenta fazer crescer o exército

Treino do exército polaco
Treino do exército polaco Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Campanha de recrutamento está em curso. Novos elementos estão a ser submetidos a um rigoroso treino militar, numa altura em que o exército polaco procura aumentar os seus 198.000 membros para melhorar capcidade de resposta perante eventual ataque russo.

PUBLICIDADE

A Polónia lançou uma campanha de recrutamento para o exército de forma a acautelar um possível ataque por parte da vizinha Rússia.

Nos últimos meses, o governo polaco tem anunciado medidas que visam aumentar a segurança interna. Agora, a intenção de Varsóvia é reforçar um exército que conta com 198.000 membros.

Muitos dos recrutas no campo de treino no leste da Polónia têm o ensino secundário completo, estando agora a ser submetidos a um rigoroso treino militar para que possam potenciar as suas capacidades.

De acordo com um porta-voz do Ministério da Defesa polaco, a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia em 2022 desencadeou entre os polacos a vontade de defenderem o seu país.

"Nem sempre quis ser soldado. No entanto, os acontecimentos atuais no mundo, todos os conflitos, mas acima de tudo as situações em torno da nossa pátria, aqui perto, motivaram-me a mudar as minhas decisões.", realçou Dominik Rojek, recruta militar polaco.

"Férias com o Exército" é um programa de 28 dias que oferece formação militar básica a maiores de 18 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia detalha megaplano para proteger fronteira com a Rússia e a Bielorrússia

Polónia investe 2,2 mil milhões de euros no reforço da sua fronteira com a Rússia

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia