EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Movimento Cinco Estrelas de Itália quer juntar-se à Esquerda no Parlamento Europeu

Giuseppe Conte é o líder do Movimento Cinco Estrelas.
Giuseppe Conte é o líder do Movimento Cinco Estrelas. Direitos de autor Cecilia Fabiano/LaPresse
Direitos de autor Cecilia Fabiano/LaPresse
De  Gerardo FortunaJorge Liboreiro & Aïda Sanchez
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A Esquerda disse ao Movimento Cinco Estrelas de Itália que existem "condições políticas claras" para que o partido possa aderir ao grupo.

PUBLICIDADE

O Movimento Cinco Estrelas, o partido populista italiano liderado pelo ex-primeiro-ministro Giuseppe Conte, está a tentar pôr fim à sua ausência de filiação política na cena europeia há um ano, juntando-se ao grupo parlamentar A Esquerda, a formação mais à esquerda do Parlamento Europeu.

A Esquerda engloba membros como o França França Insubmissa (LFI), o Die Linke da Alemanha, o Podemos de Espanha, o Syriza da Grécia e o Sinn Féin da Irlanda, todos com diferentes graus de euroceticismo.

Nas eleições de junho, esta família pan-europeia conseguiu 39 lugares no hemiciclo, mais dois do que tinha anteriormente. O Movimento Cinco Estrelas, também conhecido por M5S (Movimento 5 Stelle), quer acrescentar oito deputados a este número.

A notícia foi confirmada na quarta-feira, enquanto A Esquerda realizava uma reunião à porta fechada, em Bruxelas.

No entanto, no fim da reunião, Manon Aubry, copresidente da Esquerda, disse que a decisão sobre a adesão ainda não tinha sido tomada e que seria adiada para esta quinta-feira, altura em que a mesa deve deliberar sobre a questão.

"A porta está aberta, mas deve haver condições políticas claras", disse Aubry aos jornalistas.

As condições estão definidas na declaração de filiação política que qualquer delegação ou membro individual que queira aderir ao grupo tem de assinar, disse um porta-voz à Euronews.

A declaração "contém os valores fundamentais da Esquerda", explicou o porta-voz, tais como o respeito pelo direito internacional, a política de asilo, a justiça climática e o feminismo.

A reunião de quinta-feira terá início a meio da manhã e vai incluir representantes do Movimento Cinco Estrelas. A decisão deverá ser tomada até ao fim da tarde.

"É preciso mostrar que se está empenhado. É muito mais do que apenas assinar a declaração: os nossos eurodeputados querem ser convencidos", disse uma fonte da Esquerda à Euronews.

O que é A Esquerda?

Conhecida até 2021 como Grupo de Esquerda no Parlamento Europeu (GUE/NGL), A Esquerda defende uma tributação justa, os direitos dos trabalhadores, a igualdade de rendimentos, a sustentabilidade ambiental e o bem-estar dos animais. Também se opõe veementemente às políticas de austeridade, ao neoliberalismo, à privatização dos serviços públicos e às regras de migração consideradas repressivas e injustas para os requerentes de asilo.

Apesar de ter uma perspetiva progressista, A Esquerda adoptou uma posição crítica em relação à resposta da UE à guerra da Rússia contra a Ucrânia, opondo-se ao fornecimento de equipamento letal que o exército ucraniano necessita para repelir as forças invasoras.

O Movimento Cinco Estrelas mantém esta posição e critica abertamente os aliados ocidentais por continuarem a fornecer armas ao país devastado pela guerra, argumentando que o dinheiro utilizado para adquirir munições deveria ser redireccionado para financiar serviços sociais.

"Temos de reconhecer que a ideia de obter uma vitória militar sobre a Rússia foi um fracasso",afirmou Conte em maio (artigo com paywall). "Temos de concentrar os recursos não nesta corrida louca ao rearmamento, mas na proteção dos direitos sociais dos cidadãos."

Antes de se apresentar à Esquerda, o Movimento Cinco Estrelas tinha tentado várias vezes (e sem sucesso) juntar-se aos Verdes, mas as suas opiniões ambíguas sobre o conflito Rússia-Ucrânia não foram do agrado desta formação preocupada com o ambiente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento Europeu: a primeira vez para os jovens deputados

Maré vermelha em Madrid para receber os campeões europeus

França: coligação de esquerda vai finalmente chegar a acordo sobre um primeiro-ministro?