EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

NASA parte à descoberta dos mistérios dos asteroides

NASA parte à descoberta dos mistérios dos asteroides
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Começou a contagem decrescente para a próxima missão da NASA ““OSIRIS-REx”“:http://www.

PUBLICIDADE

Começou a contagem decrescente para a próxima missão da NASA ““OSIRIS-REx”“:http://www.asteroidmission.org/, que tem como objetivo trazer, para a Terra, amostras de um asteroide.

A sonda, que deverá alcançar o asteroide Bennu, em 2018, tem lançamento previsto para 8 de setembro, a partir de Cabo Canaveral, na Florida:

“Este é um asteroide escuro que descobrimos e do qual vamos à caça. Vamos olhá-lo mais de perto e recolher e trazer uma amostra”, adianta Jim Green, Diretor da Divisão de Ciência Planetária da NASA.

Christina Richey, my deputy program scientist NASA</a>, on why Bennu is a big deal <a href="https://t.co/jvtO0aoQli">https://t.co/jvtO0aoQli</a></p>&mdash; OSIRIS-REx (OSIRISREx) 17 de agosto de 2016

O objetivo é que a sonda, que pesa mais de duas toneladas, recupere, pelo menos, 60 gramas de amostra, a quantidade mais elevada desde as missões Apollo nos anos 1960 e 70:

“Uma das coisas surpreendentes, em relação à “OSIRIS-REx” é que vai ao encontro de todos os objetivos que a ciência planetária, que a NASA, têm.

Tecnicamente não vamos pousar no Bennu mas vamos tomar contacto com ele, durante cerca de cinco segundos, obter uma amostra e colocá-la na nave espacial. E temos três tentativas até ela regressar à Terra, onde chegará a 24 de setembro de 2023”, explica Jeffrey Grossman, cientista do programa OSIRIS-REx.

#MyTeamIn5Words International #asteroid exploration brain trust pic.twitter.com/uJDG9WbXQ5

— OSIRIS-REx (@OSIRISREx) 23 de agosto de 2016

Os cientistas esperam, com esta odisseia, e entre outras coisas, obter pistas sobre como os planetas se formam, como a vida começou e melhorar o conhecimento sobre os asteroides que podem atingir a Terra:

“Tenho esperança de obter algum material único, ainda que não seja fácil sobreviver às mudanças em termos atmosféricos. Por essa razão vamos protegê-lo numa cápsula própria. Portanto, é realmente uma grande aventura. Partimos para o desconhecido e vamos trazer um tesouro científico”, refere Dante Lauretta, da Universidade do Arizona e investigador principal deste programa.

How, exactly, does one reach out and grab some pebbles off the surface of an asteroid and live to tell the tale? https://t.co/E8cfkvGXJp

— OSIRIS-REx (@OSIRISREx) 17 de agosto de 2016

A sonda vai orbitar em volta do asteroide cerca de dois anos para mapear e localizar os melhores pontos para colher a amostra. Em junho de 2020 aproxima-se da sua superfície. Se tudo correr bem, desce à Terra três anos depois.

Great video explaining the gravity of OSIRISREx</a>&#39;s situation at <a href="https://twitter.com/hashtag/Bennu?src=hash">#Bennu</a>. Video: <a href="https://t.co/UTmv2fsSAN">https://t.co/UTmv2fsSAN</a> <a href="https://t.co/MrcA7bWboS">pic.twitter.com/MrcA7bWboS</a></p>&mdash; (#space) pat o. (spacepat_o) 16 de agosto de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

MWC2024: A Inteligência Artificial remodela a experiência do utilizador de smartphones

Digitalização das PME: Huawei Connect 2023 apresenta tecnologia de ponta

As janelas do futuro apresentadas na Feira Automóvel de Munique