EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"O Beijo" de Gustav Klimt já pode ser "tocado" em Viena

"O Beijo" de Gustav Klimt já pode ser "tocado" em Viena
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O projeto AMBAVis, financiado pela União Europeia, desenvolveu uma versão do quadro num suporte 3-D em relevo para ser "visto" pelos dedos das pessoas com problemas de visão ou até cegueira.

PUBLICIDADE

“O Beijo” de Gustav Klimt será, porventura, o quadro mais famoso de Viena. Por ano, mais de um milhão de pessoas deslocam-se à capital da Áustria para ver o original e agora há ainda mais gente com possibilidade de desfrutar desta obra clássica do portefólio do pintor simbolista austríaco.

Gustav Klimt's KISS at your fingertips! EU-project for the development of 3D-Technologies for People with Visual im… pic.twitter.com/xUfaoQaTTe

— Belvedere Museum (@belvederewien) 12 de outubro de 2016

Graças ao projeto AMBAVis (acesso a museus para pessoas invisuais ou com problemas de visão), financiado pela União Europeia, quem sofre de problemas graves de visão ou até mesmo de cegueira já pode admirar o “beijo” de Klimt numa versão física em 3-D.

Dotknąć “Pocałunku” Gustava Klimta https://t.co/tQTAYBDRk9#Wiedeń#muzeum#sztuka#Klimt#Belvederepic.twitter.com/g3DdrMRpMu

— Centrum Prasowe PAP (@CentrumPrasowe) 26 de outubro de 2016

Dominika Raditsch é alemã, perdeu a visão aos quatro anos devido a uma infeção na vista e foi uma das primeiras pessoas a ter a experiência de tocar na versão em relevo do quadro de Klimt. “É, de certa forma, arredondado e enredado. Podemos senti-lo. Comunica connosco e nalgumas partes é tão macio. Leva-me a imaginar que se calhar também brilha. Não o consigo ver, mas é o que fantasio. É um belo desafio à imaginação”, resume Raditsch.

Now You Can Touch #GustavKilmt’s #TheKiss’ at the #BelvedereMuseumbelvederewien</a><br> <a href="https://t.co/bJd6bswdkv">https://t.co/bJd6bswdkv</a> <a href="https://twitter.com/artnet">artnet

— Sarah Cascone (@sarahecascone) 13 de outubro de 2016

Tocar nos relevos permite criar na mente das pessoas uma versão da imagem pintada por Klimt. Os dedos servem de intermediário entre a reprodução em 3-D e o cérebro do espetador.

Andreas Reichinger tem vindo a trabalhar desde há cinco anos neste projeto de relevos em 3-D para serem tateados. “Até agora, ‘O Beijo’ foi o meu trabalho exposto mais difícil. Integra partes muito figurativas e físicas. Por outro lado, tem também algumas partes planas e ornamentais”, explicou-nos o reprodutor em 3D.

Kuss von Gustav Klimt für Blinde “begreifbar” https://t.co/hEGmTegBzI

— Belvedere Museum (@belvederewien) 13 de outubro de 2016

Em parceria com o projeto AMBAVis, o Museu Belvedere, em Viena, está a planear disponibilizar guias áudios interativos para os invisuais. Um conjunto de câmaras e sensores vão ser usados para garantir que a parte do relevo da obra a ser tateada seja explicada logo no momento ao espetador.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

MWC2024: A Inteligência Artificial remodela a experiência do utilizador de smartphones

Digitalização das PME: Huawei Connect 2023 apresenta tecnologia de ponta

As janelas do futuro apresentadas na Feira Automóvel de Munique