This content is not available in your region

Reduzir o uso do carro é melhor para as finanças do que pensa

Access to the comments Comentários
De  Geraldine Herbert
Usar menos o carro pode fazer poupar mais do que pensa
Usar menos o carro pode fazer poupar mais do que pensa   -   Direitos de autor  Canva

Trocar o carro por andar a pé ou de bicicleta não só reduz as emissões e é melhor para a saúde, como também ajuda a poupar uma quantidade considerável de dinheiro.

Conduzir um carro custa muito mais do que as pessoas pensam. Um estudo publicado em 2020 na revista "Nature" descobriu que os automobilistas alemães subestimaram os custos diários da condução de um carro em quase 50%, pelo que os custos reais são quase o dobro do que se pensa.

Isto não só faz com que conduzir um carro pareça uma opção mais desejável, como a perceção de que custa muito menos do que custa na realidade, faz com que formas alternativas de transporte - como a partilha de carros, transportes públicos, bicicleta ou a pé - pareçam menos atrativas.

Quando se trata de comprar automóvel, no topo da lista de prioridades da maioria das pessoas estão o preço, a economia de combustível, o espaço, o desempenho e a segurança. É uma compra em que a maioria das pessoas pensa e investiga muito, dado que é uma das mais caras que provavelmente farão.

Mas nem sempre temos a mesma tendência para pensar nos custos de funcionamento ao longo da vida e, desde o combustível, a depreciação ao custo de reparações, impostos e seguros, estes podem ser substanciais.

Então, por que razão os automobilistas têm uma tal lacuna de conhecimentos no que diz respeito aos custos do dia-a-dia dos automóveis? A realidade é que os custos são apenas um fator a ter em conta na decisão de ser proprietário de um automóvel; há também o fascínio emocional.

Um carro é mais que um meio de deslocação

Apelar aos automobilistas como decisores racionais com bom senso financeiro é uma coisa mas, para muitas pessoas, os carros são muito mais do que um simples meio de se deslocar do ponto de A para o ponto B.

Há anos que os fabricantes de automóveis se concentram em algo bastante diferente: as emoções e sentimentos que são evocados pela condução.

Os anúncios de automóveis utilizam slogans tais como "O poder dos sonhos", "O automóvel que sempre prometeu a si próprio" e "Concebido para mover o espírito humano". Estes slogans tocam diretamente no facto de muitos não conduzirem porque é necessário fazê-lo, mas porque sentem prazer na condução.

Com isto em mente, é talvez fácil perceber por que razão as estratégias de gestão de tráfego, baseadas no pressuposto de que as pessoas reconsiderarão a sua escolha de viagem quando o uso do carro se torna mais caro ou inconveniente, raramente são eficazes no que toca a reduzir a posse do carro.

Só no Reino Unido, existem 32 milhões de carros registados nas estradas do país. Em 2022, os novos registos de automóveis diminuíram apenas 0,3%. Na UE, a utilização de automóveis aumentou, ano após ano, durante cinco anos para 250 milhões de veículos até 2020.

O automóvel particular continua a ser a principal escolha para o transporte pendular, pois parece que os automobilistas simplesmente suportam os atrasos de tempo, ou pagam as taxas de estacionamento extra ou as taxas de congestionamento.

Porquê? Porque os carros constituem espaços altamente personalizados onde se pode interagir com a família e amigos, ouvir música e isolar-se confortavelmente do mundo exterior. Mas os carros também são incrivelmente caros de gerir e o estudo da Nature sugere que, se nos apercebêssemos de quanto são caros, os automobilistas escolheriam formas alternativas de transporte.

As pessoas fazem as suas escolhas com base na perceção dos custos mas, face aos verdadeiros custos do automóvel, o estudo estima que se poderia conseguir uma redução de 37% na posse de automóveis, com um aumento de cerca de 8% e 12% nas viagens de autocarro e comboio, respectivamente.

Numa altura em que as finanças estão a ser apertadas pela crise do custo de vida, saber o custo real versus os custos percebidos do automobilismo poderia levar muitos condutores a repensar o seu amor pelos automóveis.

Como sensibilizar melhor o público?

Os automóveis poderiam ser rotulados com custos anuais no ponto de venda, da mesma forma que as etiquetas de classificação energética são utilizadas nos produtos domésticos, como lâmpadas, televisores ou máquinas de lavar. Poderiam ser mostradas informações sobre os custos médios de funcionamento e campanhas publicitárias a nível nacional poderiam encorajar os consumidores a calcular com precisão o custo de condução nos seus próprios automóveis.

Os anúncios de automóveis poderiam também incluir os custos ao longo da vida útil, da mesma forma que todos os anúncios de automóveis franceses que aparecem na imprensa, televisão, rádio, outdoors e online são obrigados a levar uma de três mensagens para encorajar o uso de meios mais sustentáveis: 

  • "Para viagens curtas, dê prioridade às deslocações a pé ou de bicicleta", 
  • "Pense na partilha de carros" e 
  • "Na vida quotidiana, use os transportes públicos".

Para encorajar as pessoas a trocar algumas das suas viagens curtas de carro por andar a pé ou de bicicleta, as vantagens para a carteira poderiam inclinar a balança a favor de deixar o carro para trás.

Quer se trate de reduzir as viagens aéreas ou de comer menos carne vermelha, somos cada vez mais à procura de formas de reduzir o nosso impacto no ambiente.