Investir nas aulas digitais em par com a literacia e educação

De  euronews
Investir nas aulas digitais em par com a literacia e educação
Direitos de autor  euronews

Nesta edição especial de The Exchange entramos numa universidade internacional de topo, a Northwestern University, no Qatar, para analisar como o setor educativo de muitos biliões de euros está a transformar a forma como as pessoas aprendem

Um estudo do Fórum Económico Mundial, no início deste ano, previu um futuro para a educação muito diferente do mundo das salas de aula tradicionais e dos exames formais de fim de ano.

O alcance da conectividade digital ajudou as faculdades e universidades a atingirem uma maior flexibilidade, oferecendo cada vez mais aulas on-line.

Os estudos também revelaram que as aulas tradicionais por si só podem ser formas ineficazes e ineficientes de ensino, em comparação com as experiências digitais que permitem uma maior interação e prática de resolução de problemas.

Muitas universidades começam a abandonar os testes padronizados, devido à preocupação de que o "grande exame final" não seja um reflexo exato da verdadeira competência de um estudante. 

"As mudanças na forma como as pessoas estão a aprender são evidentes na Northwestern University no Qatar. Estamos numa redação de última geração. Tenho de dizer que ao andar por um lugar como este, é difícil acreditar que se está numa universidade e não na redação de uma grande empresa de comunicação social," explica o jornalista da Euronews que lança a questão ao reitor Marwan Kraidy:  "Aqui, podemos ver muitos exemplos da vida real, aprendizagem prática. Será essa uma tendência que se vê apenas na indústria dos meios de comunicação social ou será algo que está mais difundido?"

"Penso que é muito importante para o setor dos media. Fazemos parte de uma tradição muito estabelecida dos Estados Unidos, a tradição das artes liberais. Portanto, a forma como funciona é que temos uma base nas artes liberais: história, filosofia, literatura. Já não se trata de latim e grego, mas sim de muitas ciências sociais e humanas. Mas temos currículos profissionais. Os nossos estudantes, enquanto aprendem a história do império britânico, aprendem a operar câmaras de alta tecnologia, aprendem a editar, aprendem reportagem. Penso que é com este andar em conjunto que alcançamos o sucesso. Agora, é claro, a aprendizagem real, a aprendizagem experiencial é crucial. Porque já não se pode enviar alguém para um meio de comunicação social que não faz a menor ideia sobre a tecnologia. Será que funciona? Por vezes, raramente. Mas a tecnologia tornou-se tão complicada, as competências tornaram-se tão múltiplas que há uma expectativa de que mesmo um principiante precisa de ter algumas competências para além do ensino teórico e didático. Penso que isso está a acontecer em todo o lado," afirma o reitor da Northwestern University, no Qatar, Marwan Kraidy.

Parece que a "aprendizagem prática" e o ensino à distância são duas tendências que moldam o futuro do setor. 

Entretanto, na Bélgica, a empresa BARCO está a tentar usar a tecnologia de sala de aula para difundir a educação tão amplamente quanto possível. 

Centenas de instituições educacionais a nível mundial usam um estúdio da Barco numa tentativa de aumentar o envolvimento.

As escolas de negócios parecem ter adoptado a aprendizagem à distância como uma norma - um grande negócio para a Barco.

Mas a BARCO também tem estúdios feitos à medida para que cirurgiões de todo o mundo possam seguir-se uns aos outros, ao vivo, na sala de operações.

"Um dos casos de utilização em que nos concentramos é a assistência ao cirurgião. Com um perito remoto a ajudar o cirurgião, dando-lhe assistência remota. Mas outro caso de utilização que está a surgir agora é a formação à distância, a educação à distância," explica um dos vice-presidente executivo da BARCO, Johan Fornier.

A JA Europe é o maior fornecedor de programas de educação de preparação para o trabalho, alfabetização financeira e empreendedorismo no continente.

O diretor executivo explica como tudo isto pode ajudar a moldar o futuro da Europa. 05:30

"Imagine que enquanto falamos 370.000 jovens empresários passam pelo programa da nossa empresa. Estes serão eventualmente os unicórnios de que a Europa necessita para reconstruir a economia. Se queremos realmente reconstruir a economia, precisamos de olhar para os setores tradicionais, definitivamente. Mas estamos a olhar para o futuro. Precisamos de imaginar o que vai ser o mundo do trabalho para esses jovens. Por isso, estamos a inverter a engenharia. Estamos a olhar para o que são os empregos. Estamos a desagregar as competências. Estamos a formar os jovens para serem empreendedores de sucesso ou para conseguirem um emprego de sucesso," conclui o  director-executivo da JA Europe, Salvatore Nigro.