EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

António Guterres chama a atenção para os "danos globais" da desinformação

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala aos meios de comunicação social durante uma visita ao escritório da ONU na capital Nairobi, Quénia, em 3 de Maio de 2023
Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala aos meios de comunicação social durante uma visita ao escritório da ONU na capital Nairobi, Quénia, em 3 de Maio de 2023 Direitos de autor AP Photo/Khalil Senosi, File
Direitos de autor AP Photo/Khalil Senosi, File
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Secretário-geral da ONU apelou a uma ação internacional coordenada contra a desinformação e a inteligência artificial. A inteligência artificial não deve desviar a atenção dos "danos globais" da desinformação, diz António Guterres

PUBLICIDADE

A disseminação do ódio e das mentiras online está a causar "graves danos globais", alimentando conflitos, ameaçando a democracia e minando os esforços para resolver o problema da saúde pública e das alterações climáticas, alertou António Guterres na segunda-feira.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que, embora o mundo deva levar a sério os avisos sobre a inteligência artificial, as pessoas não devem esquecer que as plataformas digitais já estão a ser utilizadas para espalhar a desinformação.

"Esta ameaça global clara e presente exige uma ação global clara e coordenada", disse Guterres numa conferência de imprensa para discutir um resumo político sobre o assunto.

Guterres acrescentou que planeia nomear um conselho consultivo científico dentro de alguns dias e um conselho consultivo sobre inteligência artificial ainda este ano.

Guterres disse também que apoiaria a criação de um organismo internacional de vigilância da inteligência artificial, à semelhança da Agência Internacional da Energia Atómica.

"Em todo o mundo, algumas empresas tecnológicas têm feito muito pouco e demasiado tarde para evitar que as suas plataformas contribuam para a violência e o ódio", acrescentou Guterres.

O secretário-geral da ONU vai elaborar um código de conduta para a integridade da informação nas plataformas digitais antes da Cimeira do Futuro, a realizar no próximo ano.

Qual será o conteúdo do código de conduta?

A ONU divulgou propostas para a preparação de um novo código de conduta.

As propostas incluem um compromisso dos governos, das empresas tecnológicas e de outras entidades no sentido de deixarem de utilizar ou apoiar a desinformação e um compromisso de criar um panorama mediático livre e independente.

Os eurodeputados querem também protocolos comuns em tempos de conflito ou tensão social, bem como uma coerência global para que a desinformação não seja pior em determinadas línguas do que noutras.

Quando Guterres foi questionado sobre se os governos e as empresas tecnológicas iriam tomar medidas para tornar as plataformas digitais mais seguras, respondeu: "Essa é a pergunta que me faço a mim próprio".

"Estamos a lidar com um negócio que gera lucros enormes e estamos também a lidar, em algumas situações, com governos que não respeitam totalmente os direitos humanos, pelo que esta é uma batalha constante e, nesta batalha constante, temos de mobilizar todos aqueles que estão empenhados na integridade da informação nas plataformas digitais", afirmou.

Os códigos voluntários não conseguiram controlar as empresas

Heidi Beirich, cofundadora do Projeto Global Contra o Ódio e o Extremismo, concordou que, apesar de ser um passo positivo o facto de as Nações Unidas apelarem a soluções internacionais para este problema global, o seu código de conduta não será provavelmente suficiente para travar a torrente de informação falsa e odiosa em linha.

"O facto é que os códigos voluntários, incluindo os próprios termos de serviço das empresas sobre estas questões, não conseguiram controlar a situação", afirmou Beirich.

"O problema para a ONU é que não pode fazer o que parece ter de ser feito para lidar com este problema, que é basicamente legislação."

Outros grupos e governos mundiais estão a procurar regulamentar a inteligência artificial, uma vez que a nova tecnologia floresceu desde o lançamento do ChatGPT.

A União Europeia está a preparar uma Lei da Inteligência Artificial para proteger contra ameaças à saúde e à segurança e proteger os direitos fundamentais.

Guterres afirmou que a ONU vai tentar estar no centro das redes e movimentos criados para lidar com a IA.

PUBLICIDADE

"Também requer o compromisso das próprias plataformas e dos próprios criadores de IA, mas faremos o nosso melhor para sermos uma plataforma onde todos possam estar juntos para que esta agenda avance positivamente".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Imagens manipuladas geram notícias falsas

"A extrema-direita conseguiu deixar a margem e colocou-se no centro do jogo político"

Jair Bolsonaro admite vetar lei que combate notícias falsas