EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Quase 80% dos empregos das mulheres estão em risco devido à IA generativa, segundo uma nova investigação

A IA generativa deverá pôr em risco quase 80% dos empregos das mulheres
A IA generativa deverá pôr em risco quase 80% dos empregos das mulheres Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Imane El Atillah
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com um novo estudo, um número desproporcionado de empregos ocupados por mulheres está em risco de automatização devido ao aparecimento da IA generativa.

PUBLICIDADE

A ascensão da inteligência artificial (IA) generativa tem sido criticada há muito tempo pelo potencial impacto no mercado de trabalho, porque as pessoas receiam perder os seus empregos ou ver as partes mais valiosas das suas tarefas diárias serem automatizadas por sistemas informáticos.

Um relatório recente do Goldman Sachs revelou que o equivalente a 300 milhões de empregos a tempo inteiro nos EUA e na Europa correm o risco de ser automatizados devido a esta tecnologia disruptiva.

No entanto, o impacto nos postos de trabalho pode não ser, de todo, igual.

Como alguns empregos são mais facilmente automatizados do que outros, e tendo em conta a distribuição por género no mercado de trabalho, as mulheres podem sofrer as maiores perdas devido à IA generativa, de acordo com uma nova investigação.

“No lado dos homens, há uma divisão de 50-50 entre empregos de colarinho branco e de colarinho azul. Mas, no caso das mulheres, 70% estão em empregos de colarinho branco e 30% em empregos de colarinho azul", referiu, à Euronews Next, Mark McNeilly, professor de Marketing na escola Kenan-Flagler e principal autor do estudo.

"Por isso, só pelo simples facto de haver mais mulheres neste espaço que é afetado - que são os empregos cognitivos - mais mulheres são afetadas", acrescentou.

Apesar de os homens serem mais numerosos do que as mulheres em termos de força de trabalho, a pesquisa mostra que a IA generativa deverá colocar mais mulheres em risco de perder o emprego do que homens.

Isso acontece porque 79% das mulheres trabalhadoras estão empregadas em ocupações suscetíveis à interrupção e automação da IA.

"Não é necessariamente algo inerente à IA generativa; tende também a ser uma função dos tipos de trabalho que as mulheres podem ter", referiu McNeilly à Euronews Next.

"Mas há muitos cargos de escritório que também podem ser significativamente afetados. Estes são, geralmente, de diferentes setores. Cerca de 70 por cento dos postos de trabalho de apoio administrativo são ocupados por mulheres. Este vai ser um dos setores que vai ser afetado de forma bastante significativa e é também uma população considerável de postos de trabalho", acrescentou.

Outros setores em que os empregos são ocupados maioritariamente por mulheres e que deverão ser afetados pela adoção da IA incluem os cuidados de saúde (76%), a educação (73%) e os serviços comunitários e sociais (67%).

Como adaptar-se à emergência da IA no mercado de trabalho

Embora a IA generativa tenha o potencial de suprimir ou automatizar parcialmente vários empregos, também oferece enormes oportunidades de criação de emprego.

Historicamente, quando as máquinas foram utilizadas para substituir trabalhadores humanos com vista a uma maior produtividade e a um menor custo, surgiram novos empregos que não existiam anteriormente.

Além disso, a IA também pode ser útil nas indústrias graças à capacidade da tecnologia para automatizar tarefas repetitivas e aborrecidas de diferentes empregos que não são suscetíveis de deslocação e automatização total.

"Se considerarmos o setor dos profissionais de saúde em que como já referimos, por exemplo, mais de 70 por cento das pessoas são mulheres. A IA generativa pode responder a perguntas dos doentes e ajudar a aconselhar os profissionais de saúde sobre diagnósticos e abordagens prescritivas", disse McNeilly.

"Ao fazê-lo e ao ajudar o doente a responder às perguntas por si próprio, pode libertar mais tempo para que o profissional de saúde passe mais tempo com o doente".

"E nós temos uma escassez de profissionais de saúde. Por isso, essas pessoas deveriam ver talvez encontrar mais significado nos seus empregos e não seriam despedidas ou perderiam valor nos seus empregos."

PUBLICIDADE

Na era da IA, navegar eficazmente no mercado de trabalho exige uma mudança de mentalidade em relação às competências essenciais necessárias para a realização de tarefas.

Utilizando todo o conhecimento adquirido com a exposição à IA, os trabalhadores devem esforçar-se por "pegar nela, adotá-la, aprender a utilizá-la bem e depois distinguir-se", defende McNeilly.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O TDAH pode estar ligado a um "risco acrescido de demência", segundo um novo estudo

Como é que a tecnologia de IA pode perturbar o futuro mercado de trabalho

A “contratação silenciosa” está a revolucionar o local de trabalho