EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Equipa da NASA apela ao fim do estigma dos OVNIs enquanto continua à procura de provas

A NASA fez o seu último pronunciamento sobre a questão dos avistamentos de UAPs.
A NASA fez o seu último pronunciamento sobre a questão dos avistamentos de UAPs. Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Andrew Naughtie, Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Com um número cada vez maior de avistamentos relatados pelo pessoal militar dos EUA, dos chamados UAP - que conhecemos por OVNIs -, são necessários novo meios para os registar e estudar.

PUBLICIDADE

Um novo relatório encomendado pela NASA descreveu a forma como a agência espacial norte-americana pode fazer mais para ajudar a explicar os misteriosos objetos voadores avistados em todo o mundo, numa altura em que as teorias e afirmações sobre visitas extraterrestres à Terra voltaram a circular amplamente.

O documento sobre Fenómenos Anómalos Não Identificados, ou UAP - o termo preferido do governo dos EUA para aquilo a que popularmente se chama OVNI - argumenta que, apesar de muitos dos avistamentos registados nos últimos anos terem sido entretanto revelados como nada de extraordinário, há ainda vários que não são explicáveis com os dados atuais.

O papel da NASA, escrevem os autores, é utilizar todo o espetro do seu poder tecnológico para melhorar a monitorização e o estudo destes fenómenos - e emprestar a sua credibilidade única a uma questão em que a investigação científica rigorosa ainda é prejudicada pelo estigma.

"A perceção negativa que rodeia a comunicação de UAP constitui um obstáculo à recolha de dados sobre estes fenómenos", escrevem os autores do relatório.

"O próprio envolvimento da NASA nas UAP desempenhará um papel vital na redução do estigma associado à comunicação de UAP, o que quase de certeza conduz atualmente ao desgaste dos dados. A confiança pública de longa data da NASA, que é essencial para comunicar as descobertas sobre estes fenómenos aos cidadãos, é crucial para desestigmatizar a comunicação de UAP."

De acordo com o relatório, o estigma é tão grave que mesmo alguns dos cientistas encarregados pela NASA de o redigir sofreram diretamente em resultado da sua associação com a questão das UAP.

"Pelo menos um cientista que faz parte da equipa de estudo relatou ter recebido correio negativo (de ódio) de colegas devido à sua participação", lê-se no relatório. "Outros foram ridicularizados e criticados nas redes sociais".

Estas experiências confirmam ainda mais o estigma negativo associado ao estudo de fenómenos invulgares ou inexplicáveis. Tais críticas, quer por detratores quer por proponentes da hipótese extraterrestre, são anátema do método científico, que a NASA sempre promoveu e continuará a promover de forma objetiva e aberta.

"Como agência federal, a NASA pode tornar mais seguro para os investigadores a exploração de dados no domínio aeroespacial civil, iniciando esse trabalho dentro da própria agência."

No entanto, os autores do relatório da NASA fazem questão de sublinhar que ainda não têm explicações definitivas para os avistamentos de UAP que ainda não foram explicados.

Também oferecem provas de que um objeto mostrado num conhecido clip de vídeo divulgado pela Marinha dos EUA não se movia quase de certeza a uma velocidade invulgarmente elevada, mas "muito provavelmente à deriva com o vento".

Space Telescope Science Institute Office of Public Outreach/AP
Esta imagem de junho de 2023, fornecida pelo Instituto de Ciências do Telescópio Espacial, mostra o planeta Saturno e três das suas luasSpace Telescope Science Institute Office of Public Outreach/AP

O silêncio quebrado

A questão de como quebrar o estigma relacionado com os OVNIs e encorajar mais relatos de avistamentos às autoridades tornou-se primordial nos últimos anos, uma vez que o governo dos EUA se abriu bastante sobre o assunto dos UAP.

Histórias pioneiras publicadas nos meios de comunicação americanos a partir de 2017 detalharam como o dinheiro foi direcionado para financiar investigações detalhadas do Pentágono sobre relatos de membros do serviço militar.

Desde então, numerosos membros do Congresso, de ambos os partidos, trabalharam arduamente para examinar a questão em público, com o objetivo de a libertar, tanto quanto possível, das restrições do secretismo e da classificação governamental.

Como resultado, revelou-se que o número de avistamentos de UAPs por militares americanos em todo o mundo é dramaticamente maior do que se sabia - mesmo com o estigma de não os relatar ainda muito vivo.

Muitos dos esforços do Congresso para abordar a questão têm-se centrado no risco de os UAP serem provas de tecnologia ultra-avançada possivelmente desenvolvida por um adversário terrestre dos EUA, como a China.

No entanto, este verão, uma comissão da Câmara dos Representantes realizou uma audiência em que participou um veterano militar e antigo funcionário dos serviços secretos, David Grusch, que disse ao painel bipartidário, surpreendentemente simpático, que lhe tinham sido mostradas provas e ouvido depoimentos de testemunhas que confirmavam que os EUA estavam na posse de naves espaciais alienígenas despenhadas e de "produtos biológicos não humanos" recuperados dos destroços.

Não apresentou provas para sustentar as suas afirmações, mas prometeu partilhá-las com o comité dentro dos limites de uma instalação segura.

PUBLICIDADE

Alegou também que, juntamente com outros militares que conhecem a suposta extensão total das atividades do governo dos EUA nesta área, foi assediado e ameaçado para o dissuadir de tornar públicas as suas afirmações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alegados corpos de extraterrestres expostos no Congresso Mexicano

Ex-militares dos EUA testemunham sobre OVNIs e programa secreto do governo que os recupera e estuda

Nave chinesa aterra no lado mais afastado da Lua, numa altura em que a rivalidade no espaço é global