EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Comissão Europeia investiga plataforma X após ataque do Hamas

A UE solicitou à empresa X, de Elon Musk, anteriormente designada Twitter, que respeitasse a sua Lei dos Serviços Digitais no que respeita à desinformação sobre a guerra entre Israel e o Hamas.
A UE solicitou à empresa X, de Elon Musk, anteriormente designada Twitter, que respeitasse a sua Lei dos Serviços Digitais no que respeita à desinformação sobre a guerra entre Israel e o Hamas. Direitos de autor Alain Jocard/AFP
Direitos de autor Alain Jocard/AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Bruxelas anunciou abertura de inquérito à X (ex-Twitter) por espalhar falsas informações e conteúdo de caráter terrorista ligado a ataque do Hamas a Israel

PUBLICIDADE

O Hamas colocou a rede social X do multimilionário Elon Musk na linha de mira da Comissão Europeia.

Bruxelas anunciou a abertuda de um inquérito à plataforma, até à pouco conhecida pelo nome de Twitter, devido à suposta difusão de "falsas informações", "conteúdos violentos e de caráter terrorista" e "discurso de ódio", durante e depois dos ataques do grupo islamita contra Israel.

Nos últimos dias, a rede social removeu centenas de contas ligadas ao Hamas e apagou milhares de mensagens relacionadas com os ataques, mas não impediu com isso tornar-se no alvo do primeiro processo lançado no quadro da nova Lei dos Serviços Digitais da União Europeia.

A Comissão Europeia também lançou um aviso a outras plataformas, como o Tik Tok e a Meta (casa-mãe do Facebook e do Instagram) a respeito do recrudescimento de falsas informações, exigindo que comuniquem os passos que estão a dar para solucionar o problema.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas abre processo formal contra X ao abrigo da Lei dos Serviços Digitais

Braço biónico que se funde com esqueleto e nervos do utilizador pode fazer avançar os cuidados a amputados

Comissão Europeia nega responsabilidade pela enorme falha informática da Microsoft