EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

X cobra aos utilizadores da Nova Zelândia e das Filipinas as principais funcionalidades da rede social

Um sinal "X" parcialmente concluído repousa no topo da sede da empresa, anteriormente conhecida como Twitter, no centro de São Francisco, na sexta-feira, 28 de julho de 2023
Um sinal "X" parcialmente concluído repousa no topo da sede da empresa, anteriormente conhecida como Twitter, no centro de São Francisco, na sexta-feira, 28 de julho de 2023 Direitos de autor AP Photo/Noah Berger
Direitos de autor AP Photo/Noah Berger
De  Pascale Davies
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O X diz que a subscrição "Not A Bot", que custa 0.94 € por ano, permitirá funções essenciais como tweetar, responder e gostar.

PUBLICIDADE

A X, a plataforma de redes sociais anteriormente conhecida como Twitter, está a cobrar aos utilizadores da Nova Zelândia e das Filipinas 1 dólar (0,94 euros) por ano para utilizarem as principais funcionalidades, no âmbito de um novo serviço destinado a combater os bots.

A empresa confirmou, a 17 de outubro, que a subscrição "Not A Bot" permitirá a utilização de funções essenciais, tais como tweetar, responder e gostar.

Mas isso significa que os utilizadores que optarem por não aderir ao serviço só podem ler publicações, ver vídeos e seguir contas, mas não podem interagir.

"Este novo teste foi desenvolvido para reforçar os nossos já significativos esforços para reduzir o spam, a manipulação da nossa plataforma e a atividade dos bots", afirmou o X num comunicado.

"Isto irá avaliar uma medida potencialmente poderosa para nos ajudar a combater os bots e os spammers no X, ao mesmo tempo que equilibra a acessibilidade da plataforma com o pequeno valor da taxa. No âmbito deste teste, os utilizadores existentes não são afetados".

Desde que Elon Musk comprou o Twitter por 44 mil milhões de dólares (41 mil milhões de euros), em outubro do ano passado, o valor da empresa caiu a pique, com as receitas de publicidade a caírem cerca de 50% em julho.

Musk despediu mais de metade dos 7.500 funcionários do Twitter, numa tentativa de reduzir os custos quando assumiu o controlo da plataforma de comunicação social.

Em julho, o patrão da SpaceX e da Tesla mudou o nome do Twitter para X, numa tentativa de transformar a empresa numa "aplicação para tudo", que incluiria funcionalidades como serviços de pagamento, para além das redes sociais.

No mês passado, durante uma conversa com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, Musk deu a entender que poderia cobrar a todos os utilizadores. Ele disse que cobrar "alguns dólares ou algo assim" pelas contas poderia limitar a criação de novas contas de bots.

"Sempre que um criador de bots quisesse fazer outro bot, precisaria de outro novo método de pagamento", disse ele.

Em abril, o X começou a cobrar aos utilizadores 11 euros por mês pelo serviço X premium blue tick. No entanto, os bots continuam a ser um problema para a empresa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

YouTube e X não atuaram contra a desinformação antes da votação na UE, diz relatório

Apple revela novas funcionalidades de inteligência artificial e acordo com a OpenAI

Utilizadores da rede social X podem publicar conteúdos para adultos consensuais