Quem é o "pai" do ChatGPT?

Sam Altman, criador do ChatGPT Sam Altman é o novo queridinho de Silicon Valley
Sam Altman, criador do ChatGPT Sam Altman é o novo queridinho de Silicon Valley Direitos de autor AP Photo
De  Camille Bello
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Sam Altman está de regresso à empresa que o despediu no final da semana passada. É o último episódio de uma saga que chocou a indústria da inteligência artificial.

PUBLICIDADE

Sam Altman apareceu nas manchetes de todo o mundo por causa do seu dramático despedimento da empresa que fundou, a OpenAI.

Talvez isso se deva ao facto de, no último ano, o pai do ChatGPT se ter tornado a figura mais comentada do mundo da inteligência artificial, ou IA.

Mas a sua notoriedade não é nova: há quase duas décadas que está na ribalta de Silicon Valley.

Altman entrou no mundo da tecnologia como um recém-saído da faculdade em 2005. Na mesma linha de Steve Jobs, Bill Gates e Mark Zuckerberg, o jovem de então vinte anos abandonou o curso de informática da Universidade de Stanford para fundar uma empresa que permitia aos utilizadores partilhar a sua geolocalização, chamada Loopt.

Sem compromissos académicos e com o futuro da Loopt nas mãos, Altman juntou-se ao Y Combinator (YC) - um importante acelerador de empresas tecnológicas em fase de arranque que também ajudou a lançar empresas como a Airbnb, Reddit, Dropbox e Coinbase - que o ajudou a atingir o estrelato.

O Looptd conseguiu angariar mais de 30 milhões de dólares (28 milhões de euros) em capital de risco antes de ser amplamente adotado por empresas como a Apple e a Blackberry. Ao fim de sete anos, a Loopt não conseguiu prosperar e a Green Dot Corporation, empresa americana de tecnologia financeira e holding bancária, comprou a empresa por mais de 40 milhões de euros.

A OpenAI, sediada em São Francisco, declarou num comunicado na terça-feira: "Chegámos a um acordo de princípio para que Sam Altman regresse à OpenAI como diretor executivo, com um novo conselho de administração inicial" constituído pelo antigo copresidente da Salesforce, Bret Taylor, pelo antigo secretário do Tesouro dos EUA, Larry Summers, e pelo diretor executivo da Quora, Adam D'Angelo.

Sam Altman, left, CEO of OpenAI, appears onstage with Microsoft CEO Satya Nadella at OpenAI DevDay, OpenAI's first developer conference, on Monday, Nov. 6, 2023
Sam Altman, left, CEO of OpenAI, appears onstage with Microsoft CEO Satya Nadella at OpenAI DevDay, OpenAI's first developer conference, on Monday, Nov. 6, 2023AP Photo

Do fracasso ao topo

Apesar do fracasso, o Loopt permitiu que Altman se tornasse conhecido em Silicon Valley. E dois anos mais tarde, foi escolhido para suceder ao presidente da Y Combinator, o informático americano Paul Graham.

Três anos mais tarde, Altman juntou-se ao patrão da Tesla, Elon Musk, ao cofundador do LinkedIn, Reid Hoffman, e a outros patrocinadores para co-fundar a OpenAI, uma empresa de investigação e implementação de inteligência artificial (IA) que tinha como objetivo promover e desenvolver uma "IA amigável de forma a beneficiar toda a humanidade".

Em 2016, Altman anunciou pela primeira vez que a OpenAI estava a construir uma Inteligência Artificial Geral (GAI) - uma IA que igualava o intelecto humano - conhecida como GPT-1.

Em 5 de janeiro de 2021, a OpenAI lançou o DALL-E, uma IA capaz de gerar uma imagem com base na descrição de um utilizador.

Em novembro de 2022, a OpenAI lançou - para surpresa dos seus próprios funcionários - o ChatGPT, um dos modelos de IA mais avançados até à data: um chatbot capaz de gerar texto a pedido utilizando IA avançada, cenários, letras de músicas, histórias e apresentações.

O lançamento do ChatGPT - que fascinou e aterrorizou milhões de pessoas - rapidamente colocou Altman na mira do público. Também suscitou apelos para que ele se reunisse com políticos e legisladores para trabalhar na segurança da IA e no trabalho de alinhamento.

O futuro da IA

Altman afirmou que as versões mais recentes e avançadas do ChatGPT serão lançadas muito gradualmente para que as pessoas, as instituições e os decisores políticos se familiarizem com ele, "pensando nas implicações, sentindo a tecnologia, tendo uma noção do que pode e não pode fazer", disse.

Num ensaio intitulado "A Lei de Moore para Tudo", Altman escreveu que o progresso tecnológico que a AGI trará nos próximos 100 anos "será muito maior do que tudo o que fizemos desde que controlámos o fogo e inventámos a roda".

Despedido pela OpenAI, contratado pela Microsoft

Em novembro de 2023, o mundo da IA ficou chocado com a expulsão de Altman pelo conselho de administração da OpenAI, que alegou que ele "não era consistentemente franco nas suas comunicações".

Nos dias que se seguiram, mais de 700 dos 770 funcionários da OpenAI assinaram uma carta ameaçando abandonar a empresa caso Altman não fosse readmitido, segundo o Financial Times, que citou pessoas familiarizadas com o assunto.

Altman foi rapidamente contratado pela Microsoft, que já tinha investido milhares de milhões na OpenAI, para liderar uma "nova equipa de investigação avançada em IA".

PUBLICIDADE

Altman é também conhecido pelos seus esforços altruístas. O homem de 38 anos manifestou o seu apoio a um rendimento básico universal, uma política que proporcionaria um rendimento mínimo garantido a todos os cidadãos, e criticou a desigualdade de rendimentos na indústria tecnológica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Responsável pela criação do ChatGPT readmitido pela startup OpenAI

Apple alerta: pare de colocar o seu iPhone danificado pela água no arroz

Porque é que o hacker e fundador do WikiLeaks Julian Assange enfrenta a extradição para os EUA?