Viagra para mulheres? Adesivo de testosterona para a perda do impulso sexual na menopausa

Penso de testosterona
Penso de testosterona Direitos de autor Canva
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Reino Unido começou a desenvolver o adesivo de testosterona que poderá ter um impacto "enorme" na libido e na vida das mulheres na menopausa.

PUBLICIDADE

Os cientistas britânicos estão a desenvolver um penso de testosterona para mulheres com sintomas de menopausa que, segundo os mesmos, poderá aumentar o desejo sexual feminino e melhorar grandemente o bem-estar das mulheres.

A Medherant, uma empresa derivada da Universidade de Warwick, pretende iniciar ensaios clínicos até ao final deste ano. Anunciou esta semana que angariou quase 3 milhões de libras (3,4 milhões de euros) para o fazer.

Se os estudos correrem bem e o adesivo for aprovado pelos reguladores de saúde, seria o único adesivo de substituição de testosterona disponível para as mulheres em todo o mundo.

Um anterior adesivo de testosterona feito pela Procter & Gamble, chamado Intrinsa, foi aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos em 2006, mas foi rejeitado pelos reguladores dos EUA por razões de segurança, pelo que a autorização de comercialização da UE foi posteriormente retirada a pedido do fabricante do medicamento.

"Sofrimento desnecessário"

A testosterona é a principal hormona masculina, mas é essencial também para as mulheres, e a sua produção diminui drasticamente após a menopausa, o que pode deprimir a libido (desejo sexual).

As mulheres com sintomas da menopausa podem atualmente procurar terapia de reposição hormonal (TRH) com adesivos hormonais de estrogénio e de progesterona, mas não existe uma versão de testosterona.

Como resultado, os especialistas dizem que algumas mulheres acabam por aplicar géis que só foram aprovados para uso em homens — cabendo às mulheres descobrir a fração correta da dose masculina de que necessitam.

O adesivo desenvolvido pela Medherant, pelo contrário, colar-se-ia à pele para dar às mulheres a dose certa de testosterona, e só precisaria de ser mudado duas vezes por semana.

"Com a tecnologia já comprovada, podemos usar o nosso novo adesivo para remover o sofrimento desnecessário do quotidiano das mulheres", disse David Haddleton, Professor de Química da Universidade de Warwick e fundador da Medherant.

Desde 2015, as Diretrizes para a Menopausa emitidas pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) recomendam que a suplementação de testosterona seja considerada para pessoas na menopausa com baixo desejo sexual se a terapia de reposição hormonal por si só não for eficaz.

Haddleton disse que o suplemento de testosterona "fazia muita falta" mas "não estava simplesmente disponível".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campeã olímpica Caster Semenya ganha recurso contra testosterona no atletismo

Mulheres mal representadas na segurança e defesa, dizem embaixadores da NATO

Espanha quer pelo menos 40% de mulheres nos centros de decisão