EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

A ciência das sestas: As sestas longas estão associadas a um maior risco de obesidade, revela estudo

Estudos demonstraram que os genes da sesta são ativados pelo calor.
Estudos demonstraram que os genes da sesta são ativados pelo calor. Direitos de autor Euronews/Canva
Direitos de autor Euronews/Canva
De  Camille Bello
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As sestas longas estão associadas a um maior risco de obesidade e as mais curtas a um menor risco de hipertensão arterial.

PUBLICIDADE

Serão as sestas uma arma secreta para melhorar a saúde? Há décadas que a questão suscita opiniões contraditórias entre os cientistas, mas uma coisa é certa: a sesta do meio-dia afeta o funcionamento do nosso corpo.

Num estudo recente publicado na revista científica Obesity, uma equipa de cientistas espanhóis debruçou-se sobre a questão da sesta. As suas descobertas lançaram uma nova luz sobre a relação entre a duração - e a localização - das sestas e vários marcadores metabólicos, incluindo a obesidade.

O estudo foi realizado com mais de 3.000 espanhóis de Múrcia.

Verificou-se que aqueles que dormiam sestas longas - mais de 30 minutos - tinham um índice de massa corporal - uma medida do peso corporal em relação à altura - 2% mais elevado do que os que não dormiam.

Também tinham um risco 23% maior de obesidade e 40% maior de síndroma metabólica - um grupo de condições médicas que aumentam o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

Por outro lado, as pessoas que dormiam a sesta durante períodos curtos - menos de 30 minutos - tinham um risco 21% menor de sofrer de tensão arterial elevada.

As sestas longas estão associadas a um aumento do índice de massa corporal, da síndrome metabólica, dos triglicéridos, da glicose e da pressão arterial", afirma Marta Garaulet, autora do estudo e professora de Fisiologia na Universidade de Múrcia, em Espanha.

"Em contrapartida, quando a sesta é curta, vemos que está associada a uma diminuição da probabilidade de ter pressão arterial elevada, pelo que, de certa forma, a sesta se torna protetora".

O estudo concluiu que a duração da sesta deve ser considerada "relevante na obesidade", mas os resultados apontam apenas para "associações", esclareceu Garaulet, e não para uma causa e efeito formal.

Por outras palavras, os investigadores fizeram associações "relevantes" entre pessoas que, por exemplo, dormem sestas longas e têm um maior risco de obesidade, mas isso não significa necessariamente que essas pessoas tenham excesso de peso porque dormem sestas longas. Nem que dormem sestas longas devido ao seu peso.

Cultura e sesta

No ano passado, Garaulet conduziu outro estudo no Biobanco do Reino Unido com 450.000 pessoas e encontrou 127 variantes genéticas associadas à sesta: "Quanto maior a genética da sesta, maior a frequência da sesta", disse Garaulet à Euronews Next, "o que ajudaria a explicar porque é que algumas pessoas são incapazes de dormir a sesta".

O estudo inglês - ao contrário do estudo espanhol - recorreu a uma técnica estatística utilizada na investigação genética para investigar relações causais entre factores de risco e resultados de saúde, denominada aleatorização mendeliana. Esta técnica permitiu à equipa de Garaulet identificar "potenciais relações causais entre a sesta diurna mais frequente e o aumento da pressão arterial e do perímetro da cintura".

Os resultados espanhóis são menos conclusivos porque não utilizaram a técnica estatística. No entanto, oferecem novas perspetivas sobre a sesta.

O estudo britânico foi efetuado numa população com uma idade média de 60 anos "e onde a sesta não é um hábito dessa cultura", disse a cientista espanhola. Por isso, ela estava curiosa para ver o que acontecia numa amostra de pessoas mais jovens, com menos doenças, mas também num país onde há uma sólida cultura de sesta e temperaturas quentes.

O calor era relevante porque estudos anteriores tinham demonstrado que os genes da sesta são ativados pelo calor.

PUBLICIDADE

"As temperaturas de verão ativam o gene PER3, que é o gene do relógio, que inicia a sesta", disse Garaulet, o que explicaria porque é que no Mediterrâneo há mais tendência para dormir a sesta ao meio-dia do que nos países nórdicos.

Algumas pessoas não têm a genética da sesta, explicou, "no entanto, se tivermos, este gene da sesta pode ser ativado em zonas mais quentes, e teremos vontade de dormir durante o dia".

As conclusões espanholas refinaram as obtidas no banco inglês, e Garaulet não só conseguiu avaliar os aspetos mais subtis dos episódios de sono diurno - nomeadamente a forma como a duração da sesta influenciava a saúde dos indivíduos avaliados - mas também que o local onde as pessoas dormiam influenciava os benefícios para a saúde.

"Existe uma associação positiva entre sestas curtas e melhoria da pressão arterial, especialmente se dormirmos numa poltrona ou no sofá, e não deitados na cama", afirmou Garaulet.

PUBLICIDADE

Parece que os seres humanos não estão destinados a ter grandes mudanças de postura ao longo do dia, uma vez que isso pode aumentar a tensão arterial, explicou.

Em consonância com as suas descobertas que associam a obesidade a sestas longas, Garaulet, que é professora convidada em Harvard, publicou recentemente outro estudo que concluiu que as pessoas que dormem sestas longas têm maior probabilidade de ter um ritmo alterado numa enzima chamada lipase, que desempenha um papel crucial na digestão e no metabolismo das gorduras alimentares.

As sestas fazem melhores trabalhadores

Segundo Garaulet, compreender a ciência subjacente às sestas pode ajudar a recomendar novas metodologias para melhorar o desempenho dos trabalhadores.

Estudos anteriores revelaram que sestas curtas estão associadas a uma melhor memória de trabalho, bem como a um melhor desempenho e estado de alerta, nomeadamente em indivíduos com privação de sono, mas os efeitos a longo prazo da sesta habitual no risco de doenças crónicas continuam a ser controversos.

PUBLICIDADE

"É por isso que se trata de um tema de interesse, que ajudará a perceber se a sesta deve ou não ser recomendada para obter todos estes benefícios no trabalho", afirma Garaulet, "mas é necessária mais investigação".

Para obter resultados conclusivos sobre os efeitos metabólicos da sesta, os cientistas devem realizar estudos cruzados aleatórios, acrescentou Garaulet, o que implica fazer experiências em que os mesmos indivíduos são colocados a dormir a sesta, mas também se abstêm dela.

"O problema destes estudos é que só podem ser realizados a curto prazo, pelo que é possível analisar os efeitos agudos da sesta, mas não o seu efeito na saúde em geral."

Os efeitos agudos referem-se às alterações ou respostas a curto prazo observadas após uma intervenção ou exposição específica, como a melhoria da memória no caso de uma sesta curta.

PUBLICIDADE

Para determinar as conclusões sobre o risco metabólico ou a obesidade, os investigadores precisam de muitos meses com os mesmos indivíduos, "e não é possível colocar uma pessoa que nunca dorme a sesta ou que não tem genética para dormir a sesta, a dormir a sesta todos os dias ou (ter) aqueles que dormem a sesta, a não dormir a sesta durante seis meses", disse.

No entanto, embora a realização de estudos cruzados aleatórios possa ser um desafio, estudos anteriores a longo prazo comprovaram os benefícios das sestas para a nossa saúde. Em 2007, um estudo realizado pela Harvard School of Public Health sugeriu que a sesta contribuía para as taxas mais baixas de doenças cardíacas observadas nos países mediterrânicos.

O estudo acompanhou mais de 23.000 pessoas durante seis anos e demonstrou que a sesta regular pode reduzir as mortes por doenças cardíacas em 37%, o que representa um benefício da mesma ordem de grandeza que o associado à redução do colesterol, a uma dieta saudável ou à prática de exercício físico.

Os estilos de vida modernos influenciaram significativamente a frequência, a duração e o horário dos episódios de sono e, embora a investigação sobre sestas possa não fornecer provas conclusivas, existe um conjunto esmagador de literatura científica que apoia a noção de que nada é mais vital para a nossa saúde, felicidade e produtividade do que uma boa noite de sono.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas desenvolvem repelente que pode impedir 99% dos mosquitos de picar a sua pele

Cientistas identificam principais causas da queda na fertilidade masculina

Quase um quarto da população da UE é fumadora, de acordo com uma nova investigação