EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Alterações climáticas estão a ajudar novo vírus mortal a espalhar-se pela Europa

As carraças podem transportar um vírus potencialmente mortal chamado CCHF, que se encontra normalmente em África, na Ásia, nos Balcãs e no Médio Oriente.
As carraças podem transportar um vírus potencialmente mortal chamado CCHF, que se encontra normalmente em África, na Ásia, nos Balcãs e no Médio Oriente. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Giulia Carbonaro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As temperaturas mais quentes estão a transformar a Europa no habitat perfeito para as carraças que transportam a FHCC, um vírus mortal que, nos piores casos, provoca a morte.

PUBLICIDADE

Segundo os cientistas, uma doença mortal transmitida por carraças e que se encontra habitualmente nos Balcãs, em África, na Ásia e no Médio Oriente poderá em breve espalhar-se pela Europa, uma vez que as alterações climáticas obrigam os insetos a deslocarem-se pelo continente.

Os especialistas têm dado o alarme sobre a potencial propagação da febre hemorrágica da Crimeia-Congo, ou FHCC, que a Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu na sua lista das 9 "doenças prioritárias".

A lista contém as doenças que a organização considera serem as maiores ameaças à saúde pública.

Os avisos dos cientistas não se referem a um futuro hipotético, mas a algo que já está a acontecer na Europa, tendo a Espanha já registado um caso da doença mortal no ano passado.

Na verdade, o país detetou os seus primeiros casos de FHCC em 2011 e 2016. Em 2016, um homem morreu depois de lhe ter sido diagnosticada a doença na sequência de uma picada de carraça em Espanha.

Em entrevista à Modern Diplomacy, em abril, Ali Mirazimi, virologista do Instituto Karolinska, na Suécia, afirmou que as carraças portadoras do vírus estavam "a subir pela Europa devido às alterações climáticas, com verões mais longos e secos".

A febre catarral ovina foi recentemente detetada no Iraque e na Namíbia e, no Paquistão, duas pessoas terão morrido da doença. O Iraque sofreu uma explosão de casos de FHCC no ano passado, com um total de 212 incidentes registados entre 1 de janeiro e maio de 2022 (confirmados laboratorialmente). Este ano, estima-se que já se registaram 100 casos, com 13 mortes.

O que é a FHCC?

A febre catarral ovina foi detetada pela primeira vez na Crimeia em 1944, de onde vem o seu nome.

É causada por um vírus transmitido por carraças, o Nairovirus, que pertence à família Bunyaviridae. O vírus provoca surtos graves de febre hemorrágica viral - com sintomas como febre alta, dores de cabeça, dores nas costas e nas articulações, dores de estômago e vómitos - e tem uma taxa de mortalidade de 10 a 40%.

Em casos graves, a icterícia, as alterações de humor e as perceções sensoriais também fazem parte da lista de sintomas causados pelo vírus, segundo a OMS.

Alguns animais, como bovinos, ovinos e caprinos, são suscetíveis ao vírus. Os seres humanos podem contrair o vírus ao serem mordidos por uma carraça portadora do vírus ou ao entrarem em contacto com sangue ou tecidos de animais infetados durante e imediatamente após o abate.

Por esta razão, a maioria dos casos de FHCC em humanos envolveu trabalhadores de matadouros e veterinários.

Se for mordido por uma carraça infetada, o período de incubação do vírus nos seres humanos pode durar geralmente entre 3 e 9 dias. As pessoas podem transmitir o vírus umas às outras através do contacto com o sangue, secreções ou outros fluidos corporais de pessoas infetadas.

As pessoas que recuperam fazem-no aproximadamente no nono ou décimo dia após terem adoecido. As pessoas que sucumbem à doença morrem, em média, na segunda semana de doença.

Como nos devemos proteger?

A boa notícia é que, caso se contraia a FHCC, existe um tratamento que provou ser eficaz na cura da doença, o medicamento antiviral ribavirina.

A má notícia é que, embora tenha sido desenvolvida uma vacina inativada, que é utilizada em pequena escala na Europa de Leste, não existe atualmente "nenhuma vacina segura e eficaz amplamente disponível para uso humano", segundo a OMS.

Mas há muitas medidas que pode tomar para reduzir o risco de infeção e evitar ser mordido por carraças.

Se estiver numa área propensa a ter carraças - como o campo, parques relvados e similares - use mangas compridas e calças compridas e, em geral, roupa de cor clara, para que possa detetar facilmente as carraças.

PUBLICIDADE

Existem sprays para matar as carraças, bem como repelentes e ferramentas para as remover com segurança. No entanto, tenha cuidado: se as tentar retirar com as mãos, corre o risco de partes do seu corpo ficarem dentro da sua pele.

As pessoas que trabalham com gado e outros animais afetados pela FHCC são encorajadas a usar luvas e roupas de proteção quando lhes tocam.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que é o Alaskapox? Primeiro caso fatal chama atenção para o vírus detetado no Estado do Alasca

Nova iniciativa com financiamento europeu quer aumentar produção de vacinas em África

Princesa de Gales fala sobre os tratamentos para o cancro: "Estou a fazer progressos"