EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Depressão na adolescência: estaremos a interpretar mal a tristeza dos rapazes?

Os rapazes têm geralmente dificuldade em FALAR dos seus sentimentos e a sua raiva é muitas vezes ignorada. Poderá a sua depressão passar despercebida?
Os rapazes têm geralmente dificuldade em FALAR dos seus sentimentos e a sua raiva é muitas vezes ignorada. Poderá a sua depressão passar despercebida? Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Giulia Carbonaro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Calcula-se que, na Europa, o número de raparigas deprimidas seja muito superior ao dos rapazes. Mas será que a dificuldade geral dos rapazes em comunicar os seus sentimentos está a levar os especialistas a subestimar a profundidade do problema?

PUBLICIDADE

Estima-se que cerca de 9 milhões de jovens, com idades compreendidas entre os 10 e os 19 anos, sofram de depressão na Europa, de acordo com os dados mais recentes de 2021 - antes de os especialistas terem podido avaliar o impacto total da pandemia de Covid-19, que destruiu as redes que normalmente unem as crianças e os adolescentes, como as escolas, os desportos e os clubes sociais.

Desde então, os especialistas esperam que o número de crianças e adolescentes com depressão tenha efetivamente aumentado. "O problema tornou-se maior entre 2010 e agora", disse Ian Goodyer, professor de Psiquiatria da Criança e do Adolescente na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, à Euronews.

"Se perguntássemos a cem adolescentes se tinham estado clinicamente deprimidos nos últimos seis meses, entre seis e dez responderiam que sim neste momento."

Os números falam de uma emergência de saúde que é perigoso ignorar: o suicídio é a segunda principal causa de morte entre os adolescentes na Europa, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), sendo a depressão considerada um dos principais fatores de comportamento suicida.

É por isso que é particularmente importante compreender de onde vem esta epidemia de depressão entre os jovens adultos na Europa e saber como reconhecer os sinais reveladores do seu impacto nas crianças e nos adolescentes.

Isto é particularmente difícil quando se trata de rapazes.

Oficialmente, os dados mostram que as taxas de depressão são mais elevadas entre as raparigas, por causa do impacto negativo de serem expostas a padrões de beleza impossíveis nas redes sociais e de serem pressionadas a enquadrarem-se nas expectativas sufocantes da sociedade sobre a aparência e o comportamento das mulheres frequentemente apontado como responsável por este desequilíbrio. Além disso, a violência contra as mulheres e a hostilidade aos direitos das mulheres podem contribuir para sentimentos de desespero e desesperança entre as raparigas.

De acordo com dados da OCDE de 2018, 10% dos rapazes e 14% das raparigas de 11 anos em 28 países europeus afirmaram sentir-se em baixo mais de uma vez por semana, em média. À medida que envelhecem, as diferenças entre os dois géneros aumentam, com 29% das raparigas a afirmarem sentir-se em baixo, em comparação com 13% dos rapazes.

Calcula-se também que a depressão das raparigas seja mais grave do que a dos rapazes. No entanto, os especialistas consideram que a identificação da depressão nos rapazes pode ser mais difícil do que nas raparigas, o que faz com que a questão seja muito pouco divulgada.

"Não percebemos porquê, pode ser um problema de medição relacionado com a forma como perguntamos aos rapazes sobre a depressão", afirmou Goodyer. "Ou pode ser que existam características diferentes na depressão ligeira nos rapazes que ainda não compreendemos bem."

Um fator-chave em jogo pode ser o sexismo. Entre as crianças com menos de 13 anos, não há sexismo nem diferenças entre os sexos, disse Goodyer, acrescentando que é muito invulgar em crianças pequenas. Quando se pergunta aos adolescentes entre os 12 e os 19 anos sobre a depressão, as raparigas sofrem-na mais severamente.

"Se continuássemos a medir a depressão em pessoas de 19 a 30 anos, provavelmente encontraríamos mais rapazes, mais homens na equação", disse Goodyear. "É bastante complicado e não tenho a certeza de que possamos dar ao público uma boa compreensão do que significa realmente esta diferença sexual."

Como é que os rapazes sofrem de depressão?

Uma vez que os rapazes são induzidos a acreditar que chorar quando se sentem em baixo é um sinal de fraqueza, muitos deles reagem com raiva ou agem como se estivessem irritados quando na realidade estão tristes. Pelas mesmas razões, os rapazes - tal como os homens adultos - têm mais probabilidades de procurar ajuda quando estão a sofrer de problemas emocionais.

Mas as raparigas adolescentes têm as mesmas probabilidades de se mostrarem irritadas e zangadas quando estão deprimidas, afirma Goodyer, acrescentando que tratar a depressão de forma diferente, de acordo com o sexo, não é útil nem benéfico. "A resposta à diferença de apresentação entre os sexos não tem qualquer impacto no risco de suicídio ou de automutilação não suicida", afirma.

Mas há algo a explorar na forma como detetamos a depressão nos adolescentes.

PUBLICIDADE

"A depressão dos adolescentes tende a apresentar uma maior variação nos estados de humor do que a depressão dos adultos", afirma Goodyer. "Se olharmos para a fase de humor dos jovens entre os 11 e os 19 anos, é frequente eles ficarem mais irritados e zangados, o que não se verifica tanto entre os adultos."

Mas é verdade que nos rapazes, disse Goodyear, "a irritabilidade está presente e talvez isso tenha mascarado as características depressivas." O que é mais provável, acrescentou o psiquiatra, é que quando as pessoas veem um rapaz irritado, pensem que é normal, enquanto um adulto que vê uma rapariga irritada provavelmente perguntará qual é o problema com ela, devido aos preconceitos que temos."

Será que precisamos de uma nova abordagem ao problema?

Talvez precisemos de uma nova forma de falar sobre sentimentos e depressão com os rapazes, sugeriu Goodyer, acrescentando que os especialistas devem realizar o maior número possível de entrevistas profissionais e práticas com rapazes para aprenderem as competências necessárias para os compreender.

"Os rapazes são menos capazes de enunciar e falar sobre os seus constrangimentos internos", afirmou Goodyer. "Por isso, são necessárias pessoas que saibam falar com rapazes e que não sejam afetadas com uma apresentação agressiva e irritável. E essa é uma competência fundamental que precisa de ser aprendida."

PUBLICIDADE

Para Goodyer, os esforços para combater a depressão entre os jovens devem centrar-se na deteção precoce. É algo que está a ser trabalhado, "mas ainda vai demorar algum tempo até sabermos qual é a melhor coisa a fazer", afirma.

"A próxima coisa que deve ser feita é um melhor tratamento para os jovens deprimidos. A disponibilidade de tratamento neste momento é terrível e a maioria dos serviços de saúde mental infantil na Europa foram reduzidos devido a mudanças gerais de rendimento e porque houve uma redução em alguns países, particularmente no Reino Unido, do número de pessoas disponíveis para tratar adolescentes deprimidos, o que é uma grande fonte de preocupação."

De acordo com Goodyer, "a saúde mental dos jovens não tem sido uma prioridade em nenhum país europeu", e tem de o ser.

A questão da má saúde mental das crianças e dos adolescentes chegou ao público, disse Goodyer, mas "há uma grande lacuna entre a melhoria da perceção pública e as provas científicas disponíveis para os decisores políticos considerarem, e com a aplicação de dinheiro na saúde mental dos adolescentes para melhorar as coisas para eles, porque isso, naturalmente, irá melhorar a saúde mental no futuro."

PUBLICIDADE

Os progressos realizados neste domínio são lentos, afirma Goodyer, e há muito mais para descobrir sobre o impacto da depressão nos adolescentes quando se tornam adultos.

"As consequências a longo prazo dos adolescentes que não respondem a tratamentos são muito más", afirma. "Tornam-se doentes mentais. Têm maus registos de emprego e piores relações sociais na vida adulta. Por isso, não se trata de uma questão trivial para tentar melhorar a disponibilidade de tratamento de saúde mental para os jovens. É um assunto sério."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"

Agências da UE sugerem maior vigilância da gripe das aves

OMS classifica talco como "provavelmente cancerígeno" para os seres humanos