EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Síndrome de Estocolmo 50 anos depois: A condição é real ou foi inventada para desacreditar as mulheres?

Síndrome de Estocolmo 50 anos depois: Os psiquiatras dizem que não é real
Síndrome de Estocolmo 50 anos depois: Os psiquiatras dizem que não é real Direitos de autor AFP/TT News Agency
Direitos de autor AFP/TT News Agency
De  Roselyne Min com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os psiquiatras suecos falam agora de um "conceito construído" para explicar os fracassos do Estado.

PUBLICIDADE

Passaram 50 anos desde o dramático acontecimento que deu ao mundo o termo "Síndroma de Estocolmo" - uma condição psiquiátrica agora amplamente conhecida em que os prisioneiros desenvolvem uma ligação emocional com os seus captores.

Jan-Erik Olsson, um recluso apelidado de "Janne", fez reféns quatro funcionários de um banco no centro de Estocolmo, a 23 de agosto de 1973, desencadeando uma crise de seis dias e o nascimento de uma psicose agora infame.

"Pensámos que ia ser uma situação normal de tomada de reféns, como acontecia na altura com os aviões, que ia durar um dia e uma noite, mas nunca pensámos que fosse durar tanto tempo! Tivemos de nos aguentar", diz Bertil Ericsson, 73 anos, antigo fotógrafo da maior agência noticiosa sueca, a TT.

Ericsson acompanhou a situação dos reféns no centro da capital sueca, com a polícia e os jornalistas a aglomerarem-se na praça em frente ao Kreditbanken, atualmente uma loja de roupa.

"Achámos um pouco bizarro que se tivessem apaixonado pelos ladrões!", acrescentou, referindo-se à condição conhecida como Síndrome de Estocolmo.

O termo foi utilizado pela primeira vez pelo psiquiatra Nils Bejerot, que fazia parte da equipa de negociação em 1973.

O seu trabalho consistia em analisar o comportamento dos assaltantes e dos reféns. Meio século depois, os psiquiatras e especialistas contemporâneos desacreditaram a condição como uma falácia.

"Um conceito construído"

"Nada aponta para o facto de terem sido vítimas de problemas psiquiátricos ou de terem qualquer síndrome como tal. O Síndroma de Estocolmo foi criado de raiz para dar azo ao facto de estas mulheres terem agido racionalmente nesta situação", disse Cecilia Ase, professora de estudos de género na Universidade de Estocolmo.

Ase afirma que as declarações das mulheres reféns foram interpretadas "numa dimensão muito sexualizada" pelas autoridades, argumentando que a Síndrome de Estocolmo é um "conceito construído" utilizado para explicar o comportamento dos reféns quando as autoridades e os Estados não os protegem.

Christoffer Rahm, psiquiatra do Instituto Karolinska da Suécia e autor do artigo científico "Síndrome de Estocolmo: Diagnóstico psiquiátrico ou mito urbano?" concorda que a síndrome de Estocolmo "não é um diagnóstico psiquiátrico".

Rahm vê os comportamentos dos reféns como um "mecanismo de defesa que ajuda a vítima" a lidar com uma situação traumática, que também pode ser encontrada frequentemente na violência doméstica ou noutro tipo de situações abusivas.

No seu livro sobre o cerco ao Kreditbanken, Kristin Enmark, uma das reféns, afirma que "não havia amor ou atração física" da sua parte pelos seus captores, acrescentando que apenas tentava sobreviver.

"Era como se eles decidissem antecipadamente como as coisas seriam. Mas eu não estava apaixonada. Era uma mulher de 23 anos que sobreviveu a seis dias aterradores numa caixa-forte de um banco", disse ao jornal sueco Aftonbladet numa entrevista em 2015.

Enmark viria a ter um caso amoroso com Clark Olofsson, um famoso ladrão de bancos que se juntou a Janne no cofre do banco durante o drama dos reféns, depois de a sua libertação da prisão ter sido negociada com a polícia que cercava o edifício.

"Ele [Olofsson] era a minha oportunidade de sobrevivência e protegia-me de Janne", contou ela no seu livro de memórias de 2020, "Jag blev Stockholmssyndromet" ("Tornei-me no Síndrome de Estocolmo").

Editor de vídeo • Roselyne Min

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase um quarto da população da UE é fumadora, de acordo com uma nova investigação

Quase metade das mortes por cancro e 40% dos casos são causados por fatores evitáveis, segundo um novo estudo

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"