EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Devemos preocupar-nos com a última variante "radicalmente diferente" da COVID?

Investigadores observam as máquinas de sequenciação que analisam o material genético de casos de COVID-19, em Inglaterra
Investigadores observam as máquinas de sequenciação que analisam o material genético de casos de COVID-19, em Inglaterra Direitos de autor Frank Augstein/AP Photo
Direitos de autor Frank Augstein/AP Photo
De  Euronews com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Ultimamente, as atenções têm-se centrado na subvariante da Ómicron "Éris". Mas a última variante da COVID, a BA.2.86 está a ser descrita como "radicalmente diferente".

PUBLICIDADE

As autoridades sanitárias estão a seguir mais uma nova variante da COVID-19 que apresenta um grande número de mutações.

A nova linhagem, designada BA.2.86, foi classificada como uma "variante sob monitorização" na semana passada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Não há provas de que se propague mais rapidamente ou cause doenças mais graves, mas os cientistas estão atentos à variante que foi encontrada na Dinamarca, no Reino Unido, nos EUA e em Israel.

Quais são as últimas variantes que as autoridades estão a acompanhar?

As infeções por COVID e as hospitalizações já têm vindo a aumentar nos EUA, na Europa e na Ásia, tendo muitos casos deste verão sido atribuídos à subvariante EG.5 "Éris", uma descendente da linhagem Ómicron.

As autoridades de saúde pública estão agora a seguir outra variante, a BA.2.86, devido às suas mais de 30 mutações.

A BA.2.86 provém de um "ramo anterior" do coronavírus, pelo que difere da variante visada pelas vacinas atuais, afirmou S. Wesley Long, diretor clínico de microbiologia de diagnóstico do Hospital Metodista de Houston.

Segundo ele, ainda não se sabe se a BA.2.86 conseguirá competir com outras estirpes do vírus ou se terá alguma vantagem em escapar às respostas imunitárias de uma infeção ou vacinação anteriores.

Uma das razões pelas quais a EG.5 foi "promovida" pela OMS para se tornar uma "variante de interesse" foi o facto de ter aumentado a sua prevalência em comparação com outras variantes, por exemplo.

"Estrutura radicalmente diferente"

O facto de muitos países terem reduzido drasticamente os testes de casos de COVID-19 pode complicar os esforços para encontrar novas variantes.

Nessa situação, a trajetória da BA.2.86 "não parece boa neste momento", dada a velocidade a que estão a ser identificados novos casos, afirmou Eric Topol, especialista em genómica e diretor do Scripps Research Translational Institute em La Jolla, na Califórnia.

As suas muitas mutações tornam a BA.2.86 "radicalmente diferente na sua estrutura" em comparação com as variantes anteriores, disse Topol.

A principal questão, acrescentou, é saber se a BA.2.86 se revelará altamente transmissível.

A OMS instou os países a continuarem a vigilância e a sequenciação dos casos de COVID-19, mas disse que a informação disponível neste momento sobre a BA.2.86. era "muito limitada". 

As pessoas terão uma doença mais grave com estas variantes?

Segundo Topol, uma maior disseminação da BA.2.86 causaria provavelmente mais doenças e mortes em populações vulneráveis.

Mas é demasiado cedo para saber se a BA.2.86 causará doenças mais graves.

PUBLICIDADE

"Com base nas evidências disponíveis, ainda não sabemos quais os riscos que a BA.2.86 pode representar para a saúde pública, para além do que se tem verificado com outras linhagens atualmente em circulação", afirmou um porta-voz dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Rowland Kao, da Universidade de Edimburgo, disse à Euronews Next, na semana passada, que se uma nova variante provocasse um aumento dos casos de COVID-19, o número de hospitalizações em combinação com outros vírus poderia causar problemas aos sistemas de saúde.

As vacinas vão ser eficazes contra as novas variantes?

"A vacina vai continuar a proporcionar-nos uma grande defesa contra a doença e a morte", afirmou Long.

As doses de reforço da COVID que estão agora a ser desenvolvidas foram concebidas para atacar a subvariante XBB da Ómicron.

PUBLICIDADE

A Moderna anunciou recentemente que a sua vacina de reforço atualizada contra a COVID demonstrou uma resposta imunitária contra as variantes EG.5 e FL.1.5.1. A vacina também demonstrou ser eficaz contra as estirpes XBB circulantes da Ómicron.

A Pfizer também afirmou que a sua vacina atualizada contra a COVID-19 demonstrou atividade neutralizante contra a subvariante Éris num estudo realizado em ratos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síndrome de Estocolmo 50 anos depois: A condição é real ou foi inventada para desacreditar as mulheres?

Quase metade das mortes por cancro e 40% dos casos são causados por fatores evitáveis, segundo um novo estudo

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"