Número de casos de cancro em pessoas com menos de 50 anos aumentou quase 80% nas últimas 3 décadas

Os dados mostram que os casos de cancro em pessoas mais jovens têm vindo a aumentar em muitas partes do mundo desde a década de 1990
Os dados mostram que os casos de cancro em pessoas mais jovens têm vindo a aumentar em muitas partes do mundo desde a década de 1990 Direitos de autor Canva
De  Luke Hurst
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Em todo o mundo, as taxas de diagnóstico de cancro em pessoas com menos de 50 anos dispararam nas últimas três décadas.

PUBLICIDADE

O risco de contrair cancro aumenta à medida que envelhecemos, mas uma nova investigação revela que houve um aumento de 79% no número de pessoas com menos de 50 anos que contraíram cancro nas últimas três décadas.

Com base em dados de uma perspetiva global, os dados mostram que os casos de cancro em pessoas mais jovens têm vindo a aumentar em muitas partes do mundo desde a década de 1990.

Em 2019, registaram-se 1,82 milhões de novos diagnósticos de cancro entre as pessoas com menos de 50 anos, o que representa um aumento de 79% em relação ao número registado em 1990.

As descobertas foram publicadas na revista de acesso aberto BMJ Oncology. Os investigadores estimam que o número global de novos casos de cancro de início precoce e mortes associadas aumentará em mais 31 por cento e 21 por cento, respetivamente, até 2030, com aqueles na casa dos 40 anos em maior risco.

Segundo os autores, é provável que os fatores genéticos desempenhem um papel importante, mas as dietas ricas em carne vermelha e sal e pobres em fruta e leite, bem como o consumo de álcool e tabaco, são os principais fatores de risco de muitos dos cancros mais comuns entre as pessoas com menos de 50 anos. De acordo com os dados, a falta de exercício físico, o excesso de peso e o nível elevado de açúcar no sangue são também fatores que contribuem para esta situação.

"A compreensão total das razões que conduzem às tendências observadas continua a ser ilusória, embora seja provável que os fatores relacionados com o estilo de vida contribuam para isso e estejam a ser exploradas novas áreas de investigação, como a utilização de antibióticos, a microbiota intestinal, a poluição do ar exterior e as exposições no início da vida", afirmam os médicos do Centro de Saúde Pública da Queen's University Belfast, num editorial associado.

Diagnóstico mais comum de "início precoce" no cancro da mama

O cancro da mama foi responsável pelo maior número de casos de início precoce em pessoas com menos de 50 anos em 2019, com 13,7 em cada 100.000 pessoas na população global a receber um diagnóstico e 3,5 em cada 100.000 a morrer de causas associadas.

Mas os cancros da traqueia e da próstata foram os que aumentaram mais rapidamente desde 1990, segundo a análise. Aqueles com o maior número de mortes e que mais comprometeram a saúde entre os adultos mais jovens em 2019 foram os da mama, traqueia, pulmão, intestino e estômago.

Os investigadores basearam-se em dados do estudo Global Burden of Disease 2019 relativos a 29 cancros em 204 países e regiões.

Analisaram o número de novos casos, mortes, consequências para a saúde e fatores de risco contributivos para todas as pessoas com idades compreendidas entre os 14 e os 49 anos, para estimar a variação percentual anual entre 1990 e 2019.

Mais de um milhão de pessoas com menos de 50 anos morreram de cancro em 2019, um aumento de pouco menos de 28% em relação ao número de 1990. As taxas mais altas de cancros de início precoce em 2019 foram na América do Norte, Australásia e Europa Ocidental.

Os investigadores dizem que existem várias limitações às suas conclusões, como a qualidade variável dos dados de registo de cancro em diferentes países, o que pode levar a subnotificação ou subdiagnóstico.

"Medidas de prevenção e deteção precoce são urgentemente necessárias, juntamente com a identificação de estratégias de tratamento ideais para cancros de início precoce, que devem incluir uma abordagem holística que atenda às necessidades únicas de cuidados de saúde dos pacientes mais jovens", disseram os médicos da Queen's University Belfast.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Modelo de IA pode melhorar a remoção de tumores durante as cirurgias ao cancro da mama - estudo

Médicos portugueses querem melhores condições de trabalho

Os cientistas acreditam ter encontrado uma ligação entre as bactérias do nosso intestino e a rapidez com que envelhecemos