EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Poderão os rótulos de advertência ao estilo dos cigarros reduzir o consumo de carne?

A etiqueta de aviso climático numa pequena bandeira espetada num hambúrguer.
A etiqueta de aviso climático numa pequena bandeira espetada num hambúrguer. Direitos de autor Durham University
Direitos de autor Durham University
De  Luke Hurst
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As imagens gráficas que alertam para os perigos do tabaco tiveram um impacto na persuasão dos fumadores para que deixassem de fumar. Mas será que o mesmo se aplica à carne?

PUBLICIDADE

As advertências sanitárias nos maços de cigarros - incluindo imagens gráficas de órgãos doentes - tiveram um impacto na redução do número de fumadores em todo o mundo e na melhoria da compreensão dos riscos para a saúde.

Atualmente, os investigadores sugerem que a utilização do mesmo tipo de rótulos de advertência pode reduzir o consumo de carne. O Parlamento Europeu, juntamente com muitos governos, está a defender uma redução da quantidade de carne consumida pelos cidadãos.

O consumo excessivo de carne está associado a problemas de saúde, como o aumento do risco de certos tipos de cancro, e a indústria da carne é um dos  responsáveis pelas  alterações climáticas e pelas  emissões de gases com efeito de estufa.

Um estudo realizado por uma equipa da Universidade de Durham, no Reino Unido, concluiu que a utilização de rótulos de advertência, semelhantes aos que se encontram nos maços de cigarros, pode ter um impacto na redução do consumo de carne.

Publicando os seus resultados na revista académica Appetite, os investigadores testaram uma série de rótulos de advertência em produtos alimentares que continham carne. Os rótulos incluíam uma imagem gráfica ao lado de um texto, sendo que alguns alertavam para os danos no clima, na saúde e também para o risco de pandemias.

Uma amostra com cerca de mil adultos que comem carne foi dividida em quatro grupos, aos quais foram mostradas imagens de refeições quentes que se podem comprar numa cantina - como massa de carne, massa de peixe, massa de vegetais ou massa vegana. As refeições tinham um rótulo de advertência sobre a saúde, um rótulo de advertência sobre o clima, um rótulo de advertência sobre a pandemia ou nenhum rótulo.

Foi-lhes então pedido que tomassem 20 decisões sobre diferentes escolhas de refeições, respondendo a perguntas sobre o grau de ansiedade e de credibilidade dos rótulos.

Os investigadores também mediram as intenções futuras de comprar e comer as opções de refeições, bem como o grau de atratividade das refeições.

Todos os rótulos foram eficazes para desencorajar as pessoas de escolherem carne nas suas refeições, concluíram.

"Atingir zero emissões líquidas é uma prioridade para a nação e para o planeta. Como já foi demonstrado que os rótulos de advertência reduzem o tabagismo, bem como o consumo de bebidas açucaradas e de álcool, a utilização de um rótulo de advertência nos produtos que contêm carne poderia ajudar-nos a atingir este objetivo, se fosse introduzido como política nacional", afirmou Jack Hughes, que realizou o estudo no âmbito da sua investigação de doutoramento com o departamento de psicologia da Universidade de Durham.

Os rótulos reduziram as seleções de carne entre sete a dez por cento e os participantes mostraram-se mais favoráveis aos rótulos de advertência climática, que consideraram mais credíveis.

De acordo com uma sondagem recente do YouGov, 72% da população britânica classifica-se como consumidora de carne. O Reino Unido estabeleceu o objetivo de reduzir o consumo de carne em 30% até 2032, como parte da sua estratégia alimentar nacional.

"Já sabemos que comer muita carne, especialmente carne vermelha e transformada, é mau para a saúde e que contribui para as mortes causadas pela poluição e pelas alterações climáticas. Acrescentar rótulos de advertência aos produtos à base de carne poderia ser uma forma de reduzir estes riscos para a saúde e para o ambiente", afirmou Milica Vasiljevic, do Departamento de Psicologia da Universidade de Durham e autora sénior do estudo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudo associa os alimentos ultra-processados a um maior risco de doença cardiovascular e mortalidade

Poderá o arroz rosa ser o alimento do futuro? Cientistas dizem que é mais nutritivo que o arroz normal

Cientistas associam alimentos ultraprocessados a 32 problemas de saúde