As infeções entre animais e humanos poderão causar 12 vezes mais mortes até 2050

Um funcionário do sector da saúde ordena o abate de patos na sequência da morte de mais de mil patos na região devido à gripe aviária.
Um funcionário do sector da saúde ordena o abate de patos na sequência da morte de mais de mil patos na região devido à gripe aviária. Direitos de autor AP Photo/Rivo Andries
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A maioria das epidemias modernas tem sido causada por agentes patogénicos que se propagam dos animais para os seres humanos. Prevê-se que estas doenças zoonóticas aumentem com as alterações climáticas.

PUBLICIDADE

Quatro tipos de infeções entre animais e seres humanos estão a aumentar a um "ritmo exponencial" e poderão matar 12 vezes mais pessoas em 2050 do que em 2020, de acordo com um novo estudo.

Os investigadores descobriram um padrão de epidemias mais frequentes após analisarem quase 60 anos de dados epidemiológicos.

As conclusões foram publicadas na revista BMJ Global Health.

A maioria das epidemias modernas tem sido causada por agentes patogénicos que se propagam dos animais para os seres humanos, também conhecidas como doenças zoonóticas.

Podem propagar-se aos seres humanos através do contacto direto com animais, vetores como carraças ou mosquitos, contacto com uma área onde vivem animais ou consumo de alimentos ou água contaminados.

O vírus que causa a COVID-19 também é conhecido como zoonótico porque pode ser transferido entre animais e pessoas. Os cientistas consideram que a transmissão de animais para humanos é a explicação mais provável para as origens da pandemia.

No estudo publicado por investigadores da empresa americana de biotecnologia Ginkgo Bioworks, foram analisadas as tendências históricas dos eventos de propagação zoonótica a partir de uma vasta gama de fontes.

Prevê-se que as alterações climáticas provocadas pelo homem conduzam a um aumento das doenças zoonóticas, mas o seu impacto na saúde mundial é "difícil de caracterizar", explicaram.

A análise determinou que o número de epidemias tem vindo a aumentar quase 5% ao ano, enquanto o número de mortes registadas aumentou 8,7% ao ano.

"Se a tendência observada neste estudo se mantiver, esperamos que estes agentes patogénicos causem quatro vezes o número de eventos de alastramento e 12 vezes o número de mortes em 2050, em comparação com 2020", afirmaram os investigadores.

Eles estudaram um banco de dados de mais de 3.000 surtos e epidemias e concentraram-se no período entre 1963 e 2019.

Analisaram quatro tipos de agentes patogénicos zoonóticos: Filovírus (como o Ébola e o Marburgo), SARS Coronavírus 1 (que causa a SARS), vírus Nipah (associado ao inchaço do cérebro) e vírus Machupo (que causa a febre hemorrágica boliviana).

Foram identificados 75 eventos de contágio em 24 países que causaram mais de 17.000 mortes, sendo a maioria das mortes causadas por filovírus em África.

As estimativas são provavelmente "conservadoras", afirmaram os investigadores, devido aos critérios de inclusão específicos para os agentes patogénicos e à omissão da pandemia de COVID-19, que é "várias ordens de grandeza maior do que outros eventos".

"A nossa avaliação das provas históricas sugere que a série de epidemias recentes desencadeadas pelo alastramento zoonótico não é um agrupamento aleatório, mas segue uma tendência de várias décadas em que as epidemias impulsionadas pelo alastramento se tornaram maiores e mais frequentes", escreveram.

Segundo os autores, se esta tendência se mantiver, provocará um grande aumento do risco global de doenças infeciosas.

Embora tenham sido apresentados muitos programas de vigilância e propostas de risco de pandemia, os investigadores afirmam que o "pacote final de medidas" para apoiar a preparação para uma pandemia não é claro.

"O que é claro, no entanto, a partir das tendências históricas, é que é necessária uma ação urgente para enfrentar um risco grande e crescente para a saúde global", acrescentam os autores do estudo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Devemos temer uma nova vaga de Covid-19 no outono/inverno?

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro

Padre e alegado companheiro detidos em Espanha por venda ilegal de Viagra