EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O vírus do Nilo Ocidental está a aumentar na Europa

Atualmente, não existe vacina disponível para os seres humanos contra o vírus do Nilo Ocidental transmitido pelos mosquitos e cerca de 80% das pessoas infectadas apresentam poucos ou nenhuns sintomas.
Atualmente, não existe vacina disponível para os seres humanos contra o vírus do Nilo Ocidental transmitido pelos mosquitos e cerca de 80% das pessoas infectadas apresentam poucos ou nenhuns sintomas. Direitos de autor LM Otero/AP
Direitos de autor LM Otero/AP
De  Gerardo Fortuna
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As infeções por mosquitos portadores do vírus estão a aumentar na UE, de acordo com a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos.

PUBLICIDADE

Os casos de vírus do Nilo Ocidental transmitidos por mosquitos aumentaram mais de sete vezes em 2022 em relação ao ano anterior, principalmente devido a um surto epidémico que envolveu a Itália e a Grécia. A conclusão foi divulgada no último relatório da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) sobre doenças zoonóticas.

A época de transmissão documentada em 2022 pelo relatório publicado a 12 de dezembro foi a segunda mais elevada alguma vez registada na Europa, com 1 133 infeções - contra 152 no ano anterior - enquanto o número mais elevado até agora, com 1 612 casos, ocorreu em 2018. A taxa de mortalidade da infeção pelo vírus do Nilo Ocidental continua elevada, com 92 mortes em 2022 e uma taxa de hospitalização de 86,9% dos casos confirmados.

Atualmente, não existe vacina disponível para os seres humanos e cerca de 80% das pessoas infetadas apresentam poucos ou nenhuns sintomas.

As aves são os hospedeiros naturais do vírus, uma vez que os mosquitos são infetados quando se alimentam de aves infetadas. No entanto, os seres humanos e os cavalos são os hospedeiros "sem saída", o que significa que, tendo contraído o vírus, não propagam mais a infeção.

O número de aves e cavalos com resultados positivos para o vírus foi cerca do dobro dos valores registados no ano anterior.

Originário de África, o vírus deslocou-se para longe das zonas onde era tradicionalmente prevalecente, encontrando-se atualmente em todos os continentes, exceto na Antártida. De acordo com a EFSA, o vírus chegou a zonas anteriormente não afetadas na Europa, como o sudoeste de França, o norte da Alemanha e o sul de Itália.

As alterações climáticas estão a aumentar o surto de doenças transmitidas por vetores", explicou Frank Verdonk, chefe da unidade de Riscos Biológicos e Saúde e Bem-Estar Animal da EFSA, acrescentando que o caminho a seguir é uma abordagem "Uma Só Saúde" que integre as avaliações dos riscos para os seres humanos e para os animais.

O termo "Uma Só Saúde" foi originalmente criado para lidar com infeções silenciosas em animais que poderiam ser transmitidas aos seres humanos com consequências mortais.

O conceito é agora utilizado numa gama crescente de outras disciplinas para designar diferentes soluções holísticas para fazer face aos riscos para a saúde pública que têm em conta a relação ambiente-clima-saúde.

A Comissão Europeia foi pioneira nesta abordagem ao lançar o Plano de Ação "Uma Só Saúde", em junho de 2017, apelando a uma ação eficaz contra a ameaça de resistência aos antibióticos.

O nome do vírus está relacionado com o distrito do Nilo Ocidental no Uganda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vírus transmitidos por mosquitos colocam Roménia e Itália em alerta

Quase um quarto da população da UE é fumadora, de acordo com uma nova investigação

Quase metade das mortes por cancro e 40% dos casos são causados por fatores evitáveis, segundo um novo estudo