Turista francesa presa no Egipto após falsa acusação de tráfico: comprou recordação mas polícia diz que era antiguidade

Nathalie foi suspeita por causa de uma estatueta que tinha comprado na galeria comercial de um hotel de luxo.
Nathalie foi suspeita por causa de uma estatueta que tinha comprado na galeria comercial de um hotel de luxo. Direitos de autor Ahmed Assem
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Turista francesa foi considerada suspeita por causa de uma estatueta que tinha comprado na galeria comercial de um hotel de luxo.

PUBLICIDADE

Uma viagem de sonho ao Egipto acabou por se tornar um pesadelo para uma turista francesa, depois de ter sido falsamente acusada de tentar levar para casa uma antiguidade como recordação.

Nathalie, de 56 anos, foi considerada suspeita por causa de uma estátua que tinha comprado na galeria comercial de um hotel de luxo. Foi detida no aeroporto de Luxor e mantida numa esquadra da polícia durante oito dias.

Foi depois acusada de posse e tráfico de antiguidades.

Turista francesa injustamente acusada

Após dez dias de viagem no Egipto, Nathalie deveria regressar ao seu país a partir do aeroporto de Luxor. No âmbito dos controlos de segurança, as suas malas passaram pelo raio-x e os funcionários aduaneiros detetaram algo curioso.

Tratava-se de uma pequena estátua, que os peritos contactados pela alfândega concluíram não ser uma cópia de um original, mas sim uma antiguidade com 4500 anos.

No dia anterior, Nathalie tinha comprado o objeto numa galeria de arte do Winter Palace Hotel por 250 euros.

"Senti-me muito atraída por este objeto, uma pequena personagem vestida com uma tanga, sentada, com as mãos nos joelhos. Não fazia ideia de que ele não me traria sorte", disse ao jornal francês Le Figaro.

Presa por recordação comprada em hotel de luxo

A turista, uma advogada, foi considerada suspeita de tráfico de antiguidades e conduzida à esquadra de Luxor. Aqui, o advogado que lhe foi nomeado explicou-lhe que se presumia culpada e que devia pedir desculpa à polícia.

"Foi muito difícil ver até que ponto ele não defendeu os meus interesses", diz Nathalie, que estava a adquirir conhecimentos sobre o sistema judicial local.

A viajante foi obrigada a dormir num quarto de 10 metros quadrados juntamente com outros 40 detidos.

Jean-François Rial, diretor-geral da Voyageurs du Monde, a agência de viagens que organizou a viagem de Nathalie, interveio para a ajudar.

"Em trinta anos de presença no Egipto, nunca tivemos de lidar com este tipo de casos, temos uma rede muito boa e isso ajudou-nos a melhorar as condições de detenção de Nathalie nos dias seguintes, mas foi muito difícil acelerar os procedimentos, porque a segurança do Estado tinha tomado conta do caso", disse Rial ao jornal francês Le Figaro.

"A segurança do Estado é indiferente a este tipo de considerações económicas, faz o que quer, e mesmo Abdel Fattah al-Sissi [o presidente egípcio] não tem controlo total sobre eles", acrescentou.

Dois dias depois, Nathalie compareceu perante um juiz francófono. Para demonstrar que a estátua era uma cópia, a galerista foi chamada a dar o endereço da oficina de fabrico onde modelos semelhantes se encontravam nas prateleiras.

O juiz declarou o processo suspenso, mas ainda não deu a Nathalie um arquivamento formal.

A intervenção do embaixador francês no Cairo, Éric Chevallier, acabou por garantir o seu embarque num avião para Paris.

Proibida de entrar no Egipto para sempre

"Pelo que sei, estou proibida de entrar no país para o resto da vida", disse Nathalie ao Le Figaro, após a provação.

No entanto, Nathalie não tenciona deixar o assunto em suspenso. A sua advogada diz que vai tomar medidas para levantar a proibição e receber o reconhecimento formal do arquivamento do processo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ativista Patrick Zaki detido no Egito regressa a Itália

Arqueólogos descobrem “esfinge sorridente” no Egito

Renasce no Egito a estrada dos Deuses