A Bulgária e a Roménia abrem-se a mais turistas. Eis o que esperar

Bucareste, na foto, será em breve mais acessível aos turistas
Bucareste, na foto, será em breve mais acessível aos turistas Direitos de autor Árpád Czapp via Unsplash
Direitos de autor Árpád Czapp via Unsplash
De  Saskia O'Donoghue
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os países dos Balcãs entrarão oficialmente no espaço Schengen a 31 de março.

PUBLICIDADE

Março vai ser um mês emocionante para a Roménia e a Bulgária.

A 31 de março, os países dos Balcãs aderirão oficialmente ao espaço Schengen, que permite a livre circulação entre os Estados-membros a 400 milhões de cidadãos.

Apesar de ambos os países serem membros da União Europeia desde 2007, continuam a ser obrigados a mostrar o passaporte à entrada noutros países da UE, ao contrário de muitos outros cidadãos europeus.

Em 2024, os controlos fronteiriços entre os dois países serão simplificados e é provável que muitos outros aspetos também sejam alterados.

Muito se especula sobre se a Bulgária e a Roménia seguirão os passos da Croácia, que entrou recentemente no espaço Schengen e que tem sido muito criticada por ter aumentado os preços em geral desde a sua entrada.

Não se espera que a Bulgária e a Roménia mudem as suas moedas atuais para o euro - como fez a Croácia - num futuro imediato, mas é natural que haja mudanças quase imediatas.

Com a ajuda dos especialistas da região, eis tudo o que se pode esperar a partir 31 de março.

A ponte entre a Bulgária e a Roménia, na cidade de Vidin, na Bulgária, é a segunda no troço de 500 quilómetros do rio Danúbio entre os países vizinhos dos Balcãs
A ponte entre a Bulgária e a Roménia, na cidade de Vidin, na Bulgária, é a segunda no troço de 500 quilómetros do rio Danúbio entre os países vizinhos dos BalcãsValentina Petrova/AP

Os preços vão disparar quando a Bulgária e a Roménia aderirem ao espaço Schengen?

Elaine Warren é especialista em viagens e fundadora do blogue The Family Cruise Companion. Tem esperança de que a entrada no espaço Schengen não implique imediatamente uma subida dos preços, o que poderia afastar desde logo os potenciais turistas.

"O aumento da concorrência poderá equilibrar a tendência para uma subida demasiado acentuada dos preços nos locais mais visitados. Com os viajantes a poderem comparar facilmente os preços além-fronteiras, os hotéis e outras empresas vão querer manter-se competitivos em termos de preços", diz à Euronews Travel.

No entanto, parece ser ainda muito cedo para saber exatamente o que poderá acontecer.

"Também é possível que certos custos se alinhem gradualmente mais entre os países do espaço Schengen. Mas, de um modo geral, a combinação de efeitos - mais visitantes, mas também uma concorrência mais feroz - sugere que os impactos nos preços não serão claros. Os locais mais populares podem registar aumentos modestos, enquanto as zonas rurais e os preços ao consumidor enfrentam pressões no sentido da baixa", acrescenta Warren.

"Não podemos negar que a adesão a Schengen parece poder dinamizar enormemente o turismo na Roménia e na Bulgária. As economias vão ganhar novas e substanciais oportunidades. Será fascinante ver como o turismo e os negócios evoluem em ambos os países nos próximos anos."
Elaine Warren
Especialista em viagens

Robert Blaszczyk, diretor do Departamento de Clientes Estratégicos da Conotoxia, uma fintech global, diz à Euronews Travel que, embora as potenciais alterações não sejam claras, há esperança para os países e para os visitantes. 

"A adesão ao espaço Schengen tem um impacto bastante neutro nos preços praticados nestes países, especialmente no início. O impacto marginalmente positivo da redução do tempo e do custo do transporte rodoviário não se fará sentir no início", afirma. "A longo prazo, tende a ser compensado por uma maior procura resultante do aumento do número de visitantes. No entanto, o impacto no turismo é inequívoco".

O que é que a Bulgária e a Roménia estão a fazer para atrair o turismo?

A Roménia e a Bulgária continuam a ser conhecidas como "fora dos circuitos habituais", raramente visitadas pelos turistas. No entanto, isso não significa que não tenham nada para oferecer aos visitantes.

Quer se trate do famoso spa TikTok Therme em Bucareste, das cidades festivas em ascensão no Mar Negro ou de Sófia, a vibrante capital búlgara, há muito para atrair os viajantes para leste.

Lucia Polla é uma especialista em viagens e fundadora do blogue de viagens Viva La Vita.

É fã da Roménia e da Bulgária e espera que a mudança para o espaço Schengen abra os países a uma nova geração de turistas.

"Estou ansiosa por ver mais viajantes a descobrir estas jóias", diz à Euronews Travel. "Prevejo um aumento do turismo, o que poderá levar a uma maior concorrência entre os fornecedores de viagens. E isso significa opções de alojamento e transporte ainda mais acessíveis".

PUBLICIDADE

As viagens sustentáveis são um tema muito atual, com os turistas a optarem cada vez mais por meios de transporte mais ecológicos para chegarem aos seus destinos.

Lucia espera que os países dos Balcãs tenham isto em conta na sua tentativa de atrair mais turistas.

"Os visitantes terão mais liberdade para explorar ao seu próprio ritmo e utilizar opções mais ecológicas, como comboios e bicicletas. Esta mudança poderá promover uma apreciação mais profunda das culturas locais e das práticas de turismo responsável, beneficiando tanto o ambiente como as comunidades que visitamos", afirma.

A própria ausência de controlos rigorosos nas fronteiras Schengen é conhecida por afastar os turistas que pensam que não vale a pena o incómodo.

"O que distingue a Roménia não é apenas a sua beleza natural, o seu rico património histórico e cultural e a sua calorosa hospitalidade, mas também as suas encantadoras aldeias onde o tempo parece ter parado. Para muitos visitantes, estas aldeias evocam uma sensação de Europa Ocidental de uma era passada, que faz lembrar um século atrás ou mesmo memórias de infância."
Cezarina Pomojnicu
Fundadora Romania Private Tours

Isso pode mudar - literalmente de um dia para o outro - diz o especialista em viagens e cofundador do StayNewEngland.com Michael Donovan.

PUBLICIDADE

"Quando visitei a Bulgária no início dos anos 2000, as fronteiras não Schengen acrescentaram uma complexidade que dissuadiu alguns viajantes independentes. Após a esperada adesão, penso que vamos assistir a um aumento do turismo de mochileiros e do estilo Eurotrip, especialmente entre os europeus mais jovens. Este grupo demográfico fez disparar as economias locais noutros locais pós-Schengen", afirma à Euronews Travel.

A Roménia, em particular, "já está a viver um renascimento como ponto de encontro cultural e de aventura ao ar livre", diz Michael. A eliminação dos controlos fronteiriços pode levar a sua costa única do Mar Negro e a região da Transilvânia a um palco verdadeiramente global".

Sófia, capital da Bulgária
Sófia, capital da BulgáriaAlexandr Bormotin via Unsplash

Ele - e outros especialistas - projetaram um aumento inicial de 15 a 25% de visitantes internacionais para ambos os países, que continuará a crescer com o passar dos anos.

"A longo prazo, a integração total também irá provavelmente elevar os padrões das infra-estruturas turísticas como forma de acomodar volumes mais elevados. De um modo geral, é um passo emocionante para a região que, na minha opinião, irá aumentar profundamente a sua proeminência no mapa internacional das viagens nos próximos anos", acrescenta Michael.

Poderão a Roménia e a Bulgária ser vítimas do excesso de turismo?

Embora seja evidente que a entrada dos países no espaço Schengen irá aumentar o turismo e reforçar as respetivas economias, existem preocupações de que o excesso de turismo - tão comum em toda a Europa - possa em breve tornar-se um problema.

PUBLICIDADE

Ritesh Raj, diretor de operações e de produção da CuddlyNest, uma plataforma de reservas de alojamento, acredita que "a inclusão no espaço Schengen pode levar ao excesso de turismo em destinos populares na Roménia e na Bulgária".

Em destinos turísticos populares como Veneza, Barcelona e Málaga, os residentes têm vindo a reagir após anos de comportamento desrespeitoso dos visitantes.

"Bucareste tem preços incrivelmente decentes, quer se trate de um hotel ou do preço de uma cerveja. Comparada com a maioria das capitais europeias, Bucareste não atrai certamente o mesmo número de pessoas, mas isso tem as suas vantagens, uma vez que não se sente demasiado cheia de turistas e saturada de multidões."
Tom Bourlet
The Stag Company

Ritesh receia que, com o tempo, a Bulgária e a Roménia possam assistir a uma tendência semelhante.

"A sua popularidade pode resultar num aumento dos preços do alojamento, dos bens e dos serviços locais, uma vez que o aumento da procura faz subir os custos", afirma à Euronews Travel.

No entanto, não se trata de uma conclusão precipitada.

PUBLICIDADE
O Arco do Triunfo, em Bucareste, é um dos muitos pontos de interesse da capital romena
O Arco do Triunfo, em Bucareste, é um dos muitos pontos de interesse da capital romenaCALIN STAN/ Unsplash

"O aumento do turismo também pode estimular a diversificação dos destinos. O aumento da acessibilidade pode levar à exploração de locais fora dos circuitos habituais, distribuindo os benefícios do turismo de forma mais uniforme por todo o país, uma tendência que pode levar a um crescimento mais sustentável e inclusivo no sector do turismo".

Ritesh sugere que o equilíbrio entre o crescimento do turismo e a ausência de danos em cadeia depende das autoridades dos países, afirmando que o sucesso "dependerá em grande medida da forma como a Roménia e a Bulgária gerirem as suas políticas e infra-estruturas turísticas face ao aumento do número de visitantes".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Roménia e Bulgária entram no espaço Schengen em março. O que muda para os viajantes?

De Munique a Amesterdão: quais são as cidades europeias mais fáceis de percorrer a pé?

Espanha, Portugal, Itália: onde estão as melhores praias da Europa?