Última hora
This content is not available in your region

Os professores foram um marco na sua vida?

Os professores foram um marco na sua vida?
Tamanho do texto Aa Aa

A escola tem um papel fundamental na nossa vida e nas nossas memórias. Mas hoje em dia, o que é a escola? E quais as necessidades e os desafios de amanhã? Colocámos estas e outras questões a várias personalidades mas, também, a alunos. Vamos ouvir o que têm a dizer.

Zakaria da Tanzânia considera que “um bom professor é aquele que ensina e adora os alunos.”

Podemos adorar ou não os professores, mas eles são um marco nas nossas vidas.

O que pensam os que participaram Conselho Económico e Social deste ano em Genebra?

“Lembro-me de meu primeiro professor, uma mulher jovem. E do meu professor de história que era excelente. Por causa dele quis ser arqueóloga. Apaixonava-nos. É importante, e incrível, o impacto que os professores têm em cada criança”, afirma Irina Bokova, Directora-Geral da UNESCO.

Para os mais pequenos, a escola do futuro é um espaço com muitas salas de aula, onde é permitida a entrada de animais, numa ilha ou num cogumelo.

“Esta escola tem a forma de cogumelo. Ali existe um laboratório de ciência, história e geografia. Tive a ideia depois de ver um episódio dos Estrunfes. Aqui temos um determinado tipo de folhas que serve para subir até ao laboratório, como um elevador, e que nos leva até lá. E assim, conseguimos entrar” afirma Matteo.

Mas o que querem as pessoas aprender?

“Eu queria ser advogada para poder ajudar os que não sabem defender-se, ou quando o gado deles come a colheita dos vizinhos,” afirma Mónica da Tanzânia.

Um fundo global para a educação

Numa altura em que os educadores correm para cumprir as metas de desenvolvimento do milénio até 2015, estima-se que 70 milhões de crianças continuem sem ir à escola. Quais os obstáculos para educar as crianças? E que pode fazer a comunidade internacional? O antigo chefe de governo britânico, Gordon Brown, propõe um fundo global.

“Nós fizemos uma promessa, em 2000: que todas as criança deviam estar na escola. Se até 2015, não conseguirmos colocar os 67 milhões de crianças na escola, talvez o número possa ser superior por causa das mudanças da população e dos cortes nos orçamentos. E isso significaria trair as promessas que fizemos. Mas então o que fazer? Antes de mais, penso que a necessidade de formar mais professores é clara. Temos, provavelmente, um défice de um milhão de docentes em todo o mundo. E penso que precisamos de parcerias públicas e privadas para construir as escolas e as salas de aula que faltam.

Euronews: A África Subsaariana enfrenta o maior desafio da região com 10 milhões de crianças obrigadas a abandonar a escola primária todos ao anos. Acredita que existe uma lacuna educacional, que tende a aumentar, entre os mais ricos e os mais pobres. O que correu mal?

Brown: “Gastamos muito pouco na educação de uma criança da áfrica subsariana – em média 400 dólares para a educação completa – enquanto para uma criança norte-americana são precisos 100 mil dólares. Isto representa uma distribuição de oportunidades injusta e desigual. Mas o mundo tem o dever de se unir e dizer: vamos criar um fundo global para que os países possam proporcionar uma educação para todos. Afinal de contas, as promessas feitas em Dakar em 1990 previam a ausência de barreiras financeiras para a concretização dos objetivos educacionais. E que se houvesse um problema financeiro, nós, os mais ricos, teríamos de nos certificar que a educação estaria disponível para os mais pobres.”

Mais informação em: http://lemonde-educ.blog.lemonde.fr/

http://www.un.org/en/ecosoc/

Melhorar a qualidade no ensino na Tanzânia

Uwezo é um movimento de cidadãos presente na Tanzânia, Índia, Paquistão, Uganda e Quénia. Recruta voluntários em diferentes regiões para avaliar o desempenho das crianças na escola e para saber até que ponto os pais estão envolvidos.

Aziza Mfaume decidiu ser voluntária porque, como um membro da comunidade, também, é beneficiada. “Tenho filhos na escola e netos que em breve vão entrar na escola.”

O movimento procura envolver os pais na educação das crianças, o que encoraja a ação da comunidade.

“Aprendi muitas coisas. A identificar o nível em que a minha filha se encontra e o que posso fazer para a ajudar” afirma Mosi Omary.

Mais informação em: http://www.uwezo.net/

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.