Última hora
This content is not available in your region

Beppe Grillo em defesa dos "eurofracos"

De  Euronews
Beppe Grillo em defesa dos "eurofracos"
Tamanho do texto Aa Aa

Depois dos palcos, o comediante Beppe Grillo conquistou a cena política italiana. O Movimento 5 Estrelas ganhou quatro câmaras nas eleições municipais italianas, incluindo Parma. Beppe Grillo é contra o euro, contra a austeridade e, até, contra a televisão. Mas fez uma excepção à euronews e aceitou ser entrevistado.

Grillo não poupa as críticas aos meios de comunicação social italianos. “Olhe para aqui”, diz, apontando para a capa da revista Espresso. “Ele – o político Matteo Renzi – está pensativo e eu com ar louco. Eles colocam este tipo de expressões na primeira página e perguntam: “Quer deixar o seu país nas mãos de alguém como Grillo?” Claro que toda a gente vai responder que não!”

Beppe Grillo é o político antissistema e fez tremer a política italiana. Como é que os meios de comunicação social e os partidos reagiram a esta vitória política?

“Eles ainda não perceberam como devem reagir a isto”, diz. “Não perceberam que se trata de uma revolução cultural e não política. Quem lidera é o programa do movimento. As pessoas devem começar a votar num programa e não numa pessoa.”

Beppe Grillo defende a democracia direta, com cidadãos que se elegem entre si. Depois da vitória surpreendente nas municipais, o Movimento 5 Estrelas tem de passar das palavras aos atos e participar na gestão das cidades.

Algo que não assusta Grillo, que desabafa: “Assumimos a nossa responsabilidade, mas encontramos um país em ruínas. Nós vamos dizer: ‘Meus senhores, não temos uma varinha mágica mas vamos ver o que podemos fazer’. Fiz uma digressão na Europa, estive em Londres, Paris, Mónaco. Conheci muitos jovens que deixaram a Itália, são milhões de jovens. São diplomados, tiraram mestrados e dizem que não podem regressar a casa com estas condições. E dizem-no quase a chorar.

Devemos dar-lhes uma oportunidade. Se começarmos a levar o movimento, e não os partidos, para o parlamento, um movimento de cidadãos, uns especializados nos transportes, no lixo urbano, na energia, no “wi-fi”… Se levarmos um movimento de cidadãos para o parlamento, aposto que os italianos regressam ao país de imediato. Somos o país com mais emigrantes depois da Roménia, na Europa. Exportamos licenciados e importamos gente menos qualificada.”

Beppe Grillo formou o Movimento 5 Estrelas, em 2009, a partir da Internet. Um fenómeno de popularidade que começou com manifestações contra a classe política, numa altura em que os partidos extremistas ganharam projeção em toda a Europa.

Para o comediante, a Itália é uma exceção. “O nosso movimento veio preencher um vazio muito perigoso porque o extremismo grego – a Aurora Dourada – ou o francês, de Le Pen, ou o movimento húngaro da extrema-direita crescem nos vazios de poder”, explica. “A Itália inventou o fascismo e exportou-o para todo o mundo, mas hoje, na própria Itália, em vez dos extremismos de esquerda ou de direita, o vazio é preenchido por cidadãos honestos”, lança.

Durante a campanha, Grillo defendeu a saída da Itália da zona euro e não poupou as críticas à moeda única. Agora, volta à carga. “A Europa tem sido uma ideia maravilhosa, inventada por Delors, Brandt, mas falhou ao tentar juntar economias que estavam muito distantes umas das outras. A moeda não devia ser a mesma para todos”, diz.

Mas Grillo vai mais longe: “Provavelmente, vão existir duas moedas ou, então, Angela Merkel e a Alemanha vão regressar ao marco. Nesse caso, teremos um euro mais fraco nos países do sul, como a Grécia, a Espanha, a Itália, Portugal e, até, a Irlanda”.

Por isso, o comediante diz em tom irónico: “Façamos um grupo dos “eurofracos”. Não temos nada a perder. Já perdemos 30 por cento da nossa economia desde que entrámos no euro. A nossa economia está a desintegrar-se por causa da falta de perspetivas futuras. O défice aumenta em vez de diminuir”, conclui.

Durante os comícios, Beppe Grillo denunciou vários escândalos político-financeiros e os vícios da classe dirigente italiana. Silvio Berlusconi continua a ser alvo dos seus reparos: “Foi-se embora há pouco mas já parece da pré-história. Até parece mais velho e já não usa maquilhagem. Berlusconi é uma palavra que não significa mais nada. Fez as suas façanhas graças à sua televisão. Caindo a televisão dele, caiu tudo o que ele criou porque, no fundo, não criou nada.”

A personagem de Grillo provoca amor e ódio. O próprio presidente italiano, Giorgio Napolitano, considera-o um demagogo. E ele contra-ataca. “Quando o presidente fala em “Grillismo” ou em demagogia, ele deveria ter cuidado porque deve ser neutro. Temos 250 representantes locais, eleitos pelos cidadãos, e o presidente foi escolhido pelos partidos e não pelos eleitores”, avisa.

Transparência e luta contra a corrupção são as palavras de ordem de Grillo. Talvez por isso, garanta que o seu movimento não precisa do financiamento de capitais públicos. “Rejeitámos as subvenções eleitorais de um milhão e 700 mil euros”, revela. “Temos dois elementos do partido nas regiões de Emilia-Romana e Piemonte, cujo salário passou de 10/12 mil euros por mês para 2500. Este é já um bom salário para alguém com 25/28 anos. Já o fizemos.”

O comediante costuma usar os palcos e as redes sociais para deixar uma mensagem aos políticos. Desta vez, escolhe a televisão: “Se me permitirem, gostaria de dizer na vossa televisão – porque é um pouco difícil fazê-lo nos canais italianos – que nós temos uma memória graças à internet. É a televisão que não tem memória, mas as pessoas têm. Lembramo-nos dos rostos, dos nomes e dos apelidos. Os políticos não podem ir de férias para as ilhas Seicheles e depois mandarem fotos onde brindam numa festa. Antes de irem, devem devolver o dinheiro que roubaram, pagar alguns juros e serem julgados por um júri popular composto por cidadãos escolhidos ao acaso, sem cadastro, que decidirão que tipo de trabalho comunitário os políticos devem fazer.”