Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

França dividida sobre o casamento gay

França dividida sobre o casamento gay
Tamanho do texto Aa Aa

Os defensores e detratores do casamento de homossexuais manifestam-se, há meses, em toda a França esgrimindo argumentos que têm mais a ver com a adoção do que com outro assunto.

O projeto de lei é uma das promessas eleitorais do candidato Hollande. Mas, no país das liberdades e garantias, o casamento com os mesmos direitos ainda não é um dado adquirido:

65% dos franceses são favoráveis à adoção da lei aprovada, anteriormente, na Holanda, na Bélgica, em Espanha, em Portugal, na Noruega, na Suécia, na Islândia e na Dinamarca.

Segundo o novo artigo 143, as pessoas do mesmo sexo vão poder contrair matrimónio e adotar.

Tal como os heterosexuais, podem adotar em conjunto e adotar o filho do cônjuge.

A lei vai ainda permitir a um francês ou uma francesa casar-se com um estrangeiro do mesmo sexo, e dois estrangeiros poderão contrair matrimónio em França, mesmo que as leis dos países de origem não o permitam.

E uma modificação prevista para todos, homo e heterosexuais: o apellido dos filhos não será automaticamente o dos pais; em caso de desacordo, o apelido será dos dois progenitores, por ordem alfabética.

As palavras de ordem nas manifestações refletem que, na realidade, o problema não é o matrimónio de pessoas do mesmo sexo, mas sim a questão dos filhos.

Os franceses estão muito mais mais divididos quanto a este assunto: apenas 49% são favoráveis à adoção.

O problema é que não se pode dissociar o casamento gay dos filhos, pois a atribuição dos mesmos direitos de casamento que aos heterossexuais implica os mesmos direitos de adoção.

O direito à procriação clinicamente assistida não é previsto neste pacote legislativo. Será discutido mais tarde, em março, enquadrado no direito da família e da biotécnica.

Por enquanto só os casais heterossexuais afetados por problemas de esterilidade podem recorrer a este método.

> Bebés Thalys, lésbicas francesas ensiminadas na Bélgica