Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O futuro da Igreja Católica visto pelos media do Vaticano

O futuro da Igreja Católica visto pelos media do Vaticano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dentro de dias, o Papa Ratzinger vai deixar de ser o guia espiritual da Igreja Católica. Em tempos idos, os Papas refugiavam-se no Castelo de Sant’Angelo face às ameaças das armas inimigas. O Papa Bento XVI não se pode refugiar nese castelo, muito menos tornar-se invisível. A Euronews foi ao Vaticano tentar compreender o futuro da Igreja Católica.

Os dias que separam o anúncio da renúncia de Bento XVI e o fim real do mandato, no dia 28 de fevereiro, serão, para o Vaticano, um momento sem precedentes na história recente da Igreja Católica. Falamos com o Diretor do Osservatore Romano, o jornal do Vaticano, sobre o contraponto entre o vazio de poder e a presença de um papa ainda vivo.

Euronews: O diário italiano mais influente, Corriere della Sera, tinha como manchete a 12 de fevereiro: “O fracasso da tentativa de mudar a cúria romana.” O que é que não funcionou? O Papa ou a Cúria?

Giovanni Maria Vian, Diretor do Osservatore Romano: Essa foi uma opinião publicada pelo Corriere della Sera e eu não concordo com ela. O Papa, que acredita mais nas reformas pessoais e íntimas do que nas estruturais, mudou a Cúria em oito anos. Não esqueçamos que este Pontificado que está quase a acabar durou oito anos.

Euronews: No seu discurso de renúncia, o Papa não deixou nenhuma porta aberta para uma possível mudança de posição. E tão pouco nenhum cardeal lhe pediu que reconsiderasse. É normal?

Giovanni Maria Vian: O Direito Canónico prevê que devem ser respeitadas duas condições invocadas em caso de renúncia de um Pontífice: a liberdade total da sua decisão e o anúncio público do ato. A decisão, explicada pelo Papa em Latim, era muito clara: o Papa percebeu que já não tinha a força física para conduzir o barco de São Pedro e dirigir a missão evangélica como tinha feito até agora. Por isso decidiu entregar o testemunho a um sucessor.

Euronews: Acredita que o Papa Ratzinger, ou o ex-papa Ratzinger, vai poder tornar-se invisível?

Giovanni Maria Vian: Sabe que mais? Estamos perante uma situação sem precedentes, daí ser impossível fazer previsões que sejam razoáveis.

Euronews: O que mais feriu o Papa Ratzinger? As divergências no seio do Vaticano, os Vatileaks, os escândalos do banco do vaticano ou o escândalos dos padres pedófilos?

Giovanni Maria Vian: Seguramente o Papa teve que enfrentar preconceitos sobre a sua pessoa. Teve de enfrentar, como todos os papas, uma série de tormentas mas é verdade que os escândalos de abusos de menores cometidos por membros da igreja afetaram-no muito.

Apresentandoum outro ponto de vista sobre este momento histórico, o Diretor da televisão católica TV2000, Dino Boffo.

Euronews: Senhor Boffo, em 2009 foi vítima de um ataque mediático por parte de um dos jornais da família Berlusconi, que o levou a demitir-se de direção do diário católico Avvenire. Demitir-se é uma boa escolha?

Dino Boffo: Diria que sim. Pelo menos no meu caso foi uma solução vencedora. Tomei essa decisão não no final desse caso, mas no início. E deixei depois que a verdade emergisse, mais tarde. O caso do Papa Ratzinger é totalmente diferente. Ele renunciou por razões relacionadas com a sua idade, porque já não consegue enfrentar os desafios impostos pela igreja e nossa época. Prefere passar o testemunho a forças mais jóvens.

Euronews: Quem pode sair beneficiado com a renúncia de Bento XVI?

Dino Boffo: Quando renunciou, o Papa disse que a Igreja e o Povo de Deus necessitam de novas energias, energias frescas. Um papa mais jovem e mais forte pode dar à Igreja mais do que o que um Papa de 85 anos pode dar. Não quero dizer que a energia do Papa estivesse diminuída, ao contrário, tendo em conta os seus discursos e textos, a sua força de reflexão ganhou muito com a idade. Mas governar a Igreja não é apenas a qualidade dos pensamentos ou os escritos. É também a energia intelectual, a força de reacção, a rapidez com que as decisões são tomadas. Por isso decidiu ceder o passo.

Euronews: Que pensa da nomeação como presidente do Banco do Vaticano o barão alemão Ernst Von Freyberg, Cavaleiro da Ordem de Malta e presidente honorífico de uma empresa que constrói navios de guerra?

Dino Boffo: Aguardo mais detalhes sobre essa nomeação, não posso expressar-me sem conhecer os detalhes. Mas devo dizer que foi uma decisão que me surpreendeu. Não sei se exerce ainda alguma função nessa empresa naval militar. Se sim, se continua a ser um responsável da empresa, creio que devia abandonar imediatamente essa função, se não a sua nomeação não terá sido adequada.