EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quem conheceu o Papa Francisco só diz bem dele

Quem conheceu o Papa Francisco só diz bem dele
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Jorge Mario, o filho de imigrantes italianos, nasceu no bairro de Flores em Buenos Aires, capital argentina, em 1936.

Só foi ordenado sacerdote aos 32 anos, mas a carreira na Igreja de Argentina é meteórica. Depois de seis anos como simples sacerdote, o jesuita foi nomeado Arcebispo de Buenos Aires.

Conhecido por uma sólida consciência social, Bergoglio recusou habitar o palácio que lhe era atribuido e levou sempre uma vida simples, ao serviço dos pobres.

Foi ordenado Cardeal, em 2001, por João paulo II, numa altura em que a Argentina estava mergulhada numa terrível crise económica. Bergoglio acusava o capitalismo selvagem de empobrecer milhões de compatriotas.

Em 2002 Mariangela Cotto, era membro do governo regional do Piamonte. Foi então que conheceu o Cardeal Bertgoglio em Buenos Aires.

Mariangela Cotto – Durante a missa ouvimos barulho no exterior, de uma manifestação de mulheres que batiam com as panelas e se queixavam de não ter nada para comer. Houve um momento de tensão, alguém tentou fechar as portas da Igreja para que a manifestação não afetasse o serviço religioso.
O cardeal Bergoglio interrompeu o oficio e disse: “a Igreja não fecha a porta, deixem tudo aberto. Se entrarem vamos ouvir as razões do protesto.”

Mariangela Cotto – Foi um encontro emocionante, porque levei-lhe uma garrafa de vinho tinto produzido nas vinhas que eram do pai. Emocionou-se muito e recordou-lhe as origens em Asti. Quando nos recebeu em casa, éramos 15, em vez das cinco pessoas que ele esperava. Quando lhe oferecemos ajuda não aceitou e foi buscar as cadeiras sozinho. No fim, quando estávamos todos sentados sorriu e e sugeriu: falamos em piamontês?

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa Francisco pede desculpa por utilizar termo ofensivo sobre pessoas LGBT

Papa Francisco condena "ataque terrorista vil" em Moscovo

Mulheres que dizem ter sido abusadas por um jesuíta outrora famoso exigem transparência ao Vaticano