O peso dos cidadãos na evolução da sociedade

O peso dos cidadãos na evolução da sociedade
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Um recente relatório da Associação Internacional para a Avaliação do Desempenho Escolar (IEA, na sigla em inglês) registou, entre estudantes de alguns países, uma acentuada diminuição de conhecimento sobre o que é cidadania. Compreender o funcionamento da sociedade civil e como ela suporta a democracia é, contudo, vital. Como se poderá reverter esta falta de conhecimento? Alguns projetos para combater este distanciamento dos jovens do conceito de cidadania estão já a ser explorados.

Um deles é o denominado Modelo de Organização das Nações Unidas, que através da simulação de uma assembleia geral da ONU permite a jovens de diferentes proveniências contactarem com alguns dos temas mais quentes da atualidade mundial e ganharem prática de debates e negociação. Um a experiência conseguida ao interpretarem os papéis de diplomatas em representação dos vários países membros do organismo. Confrontados com tópicos como o conflito na Síria, as ameaças da Coreia do Norte ou o tráfico generalizado de droga e armas, há mesmo quem se veja obrigado a assumir posições nesta simulação que num plano real nunca defenderia.

Na Escandinávia, por outro lado, aprofundamos o evoluído sistema de participação cívica na sociedade dinamarquesa, onde até os jovens têm uma palavra sobre algumas das decisões tomadas. Mesmo que seja sobre arquitetura. Descobrimos o clube Vinterbad Bryggen, dedicados a banhos de verão e inverno, que era um sonho de alguns cidadãos e que foi concretizado com apoio municipal. E visitamos o Børnekulturhus Ama’r, um centro cultural para crianças que teve em linha de conta, na construção, as sugestões dos próprios pequenos utilizadores.

Viajamos, por fim, até à Tanzânia, onde conhecemos o sonho concretizado por um ancião de 96 anos a residir numa comunidade Masai, próxima de Esilalei, uma aldeia a 120 km da cidade de Arusha, no norte do país. O nonagenário Meshuku Mappi tem 36 mulheres e dos mais de 120 descendentes, entre filhos e netos, saem 80 por cento dos alunos da escola primária de Laiboni. A instituição foi criada em 2005 motivada pela morte de um dos filhos de Meshuku Mappi na sequência do acidente de um carro quando seguia para a escola de Esilalei, a cerca de 10 quilómetros de casa. Com a ajuda de duas ONG africanas, uma local e outra internacional, o projeto cresceu sustentado pela determinação e mão-de-obra da comunidade local. É mais um bom exemplo do envolvimento cívico no desenvolvimento da respetiva sociedade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase metade dos animais migratórios estão em risco

Israel diz ter descoberto túneis do Hamas debaixo da sede da UNRWA

Médio Oriente: Rússia critica "agressão descarada" dos EUA, Washington defende ataques proporcionais