Última hora

Última hora

Grécia preside Conselho da UE contra vontade da população

Em leitura:

Grécia preside Conselho da UE contra vontade da população

Grécia preside Conselho da UE contra vontade da população
Tamanho do texto Aa Aa

Ano novo, presidência nova no Conselho Europeu. Depois da Lituânia, é a vez da Grécia tomar as rédeas do Conselho. Com a economia e as políticas sociais arrasadas, a Grécia, vai presidir as reuniões dos ministros da UE nos próximos seis meses. O governo grego prometeu reduzir o orçamento deste mandato, o objetivo é manter os custos de todos os eventos do Conselho abaixo dos 50 milhões de euros. No entanto, os gregos estão dececionados e não acreditam nos benefícios da presidência na UE.

“Primeiro temos de nos preocupar com as reformas internas e só depois olhar para fora”, comentou um eleitor nas ruas da Atenas.

“As pessoas estão fartas de todas estas coisas, os deputados ganham 10 mil euros por mês e nós ganhamos 500 euros”, observou.

A lutar contra a recessão e a austeridade imposta pela troika nos últimos anos, a Grécia perdeu parte da sua independência e vai presidir o Conselho num momento em que as decisões políticas cruciais do país têm de ser tomadas em conjunto a Europa.

Do ponto de vista interno, os acordos com a UE e o FMI terminam em Abril e a Grécia vai precisar de um terceiro pacote de ajuda. Receber um novo resgate significa mais medidas de austeridade e a permanência da troika no país, mas ainda há alguma esperança que isso possa ajudar a Grécia levantar-se.

“Estamos numa discussão recorrente sobre os vários tópicos do terceiro resgate, mas posso dizer que este vai ser diferente dos anteriores. Vai conter novas obrigações para o país e, eventualmente, vai fomentar um crescimento económico para os anos de 2015 e 2016”, explicou o analista económico, Panayotis Petrakis.

Até pode trazer melhorias, mas os gregos estão cansados de sofrer cortes nos salários e de ver o desemprego atingir novos recordes. Mais austeridade pode colocar em risco a coligação do governo e forçar eleições antecipadas durante a presidência do Conselho europeu.

Na Europa, a Grécia terá de supervisionar a implementação da União Bancária, que pretende criar soluções para o crescimento económico e combater o desemprego.

A euronews falou com o vice-primeiro-ministro grego, Evangelos Venizelos, sobre os desafios dos próximos seis meses.

Vice-primeiro ministro, Evangelos Venizelos, seja bem-vindo à Euronews. A partir de hoje, a Grécia vai assumir o comando do Conselho da União Europeia. A vossa presidência irá durar apenas quatro meses até às eleições do Parlamento Europeu em Maio. Como é que se consegue cumprir uma agenda num período de tempo tão curto?

Evangelos Venizelos: É uma grande oportunidade para a Grécia se apresentar como estado igual e soberano da União Europeia capaz de representar 28 estados-membros e conduzir os interesses do Conselho.

Queremos uma nova narrativa para a Europa e para isso temos de apostar num discurso mais atraente para os cidadãos europeus, mais otimista para as famílias, mas também para a nova geração. Em muitos países, a UE é associada a austeridade, desemprego e salários baixos.

Temos de devolver à Europa um pensamento de cultura, da civilização, da história, do Estado de Direito e Estado de providência. Um discurso de crescimento Europeu, inovador e de pessoas conscientes da história em comum e com o único objetivo de prosperidade para todos.

euronews: Recentemente houve um acordo da união bancária. Enquanto isso, a Grécia está sob risco do terceiro pacote de ajuda económica da UE. Como é que se sente à beira do terceiro resgate?

Evangelos Venizelos: É muito importante que tenha sido tomada a decisão da União Bancária, mas nem o mecanismo de vigilância único nem o mecanismo de compensação único são suficientes. É preciso haver um mecanismo de garantia de depósitos para evitar que a carga fiscal caia sobre os países do Sul da Europa, que são obrigados a pagar juros muito altos só porque os países do Norte oferecem mais segurança nos depósitos bancários.

A Grécia está a lutar para sair da crise e dos memorandos da troika. Nos últimos três anos e meio, alcançamos o maior ajustamento fiscal da história da economia ocidental. Começamos em 2009 com um défice primário de 12%. Agora temos um saldo primário de cerca de 6.5% sem ter em conta os resultados circunstanciais da recessão. Somos o país da Europa com melhores resultados fiscais e um dos melhores do mundo.

Temos uma boa parceria com os restantes estados-membros e discutimos abertamente com o FMI e o Banco Central Europeu sobre as melhores soluções para sairmos desta crise. Ninguém perde com isso, todos são beneficiados e nenhum contribuinte europeu vai dar um euro à Grécia.

euronews: O crescimento e o desemprego estão na agenda da presidência grega. Como é que vocês pretendem tratar estes pontos?

Evangelos Venizelos: Vamos trabalhar em conjunto com a Comissão Eurpeia, que é a chave instrumental da Europa, e com o Banco de Investimento Europeu, de modo a criar uma rotação necessária para os estados membros. O programa de recuperação económica a que nos propomos não interessa só aos países em crise. Toda a Europa precisa de um novo modelo de produção, crescimento e competitividade para escapar ao perigo da recessão ou, em alguns casos, escapar do crescimento próximo do zero.