Última hora

Comissão do Parlamento Europeu quer ouvir Edward Snowden

Comissão do Parlamento Europeu quer ouvir Edward Snowden
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma comissão do Parlamento Europeu deu, esta quinta-feira, luz verde à audição do ex-consultor da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA), Edward Snowden. Como o responsável pelas revelações sobre a espionagem norte-americana na Europa está refugiado na Rússia e não se pode deslocar a Bruxelas, a audição deve ser feita por vídeo-conferência.

A decisão foi tomada pela comissão parlamentar de Liberdades Civis com 36 votos a favor, dois contra e uma abstenção. Esta audição tem ainda de ser validada pelo próprio Parlamento Europeu, que se deve pronunciar sobre o assunto em fevereiro. Caso seja aprovada, a video-conferência pode acontecer em abril.

Mas os eurodeputados estão divididos quanto à necessidade de ouvir Snowden. Há algumas semanas, Axel Voss, eurodeputado alemão do Partido Popular Europeu (PPE) dizia que “nós não nos opomos à ideia de falar com Snowden, mas interrogamo-nos sobre o sentido dessa iniciativa: o que nos pode acrescentar quando já foi tudo divulgado?” Os eurodeputados conservadores britânicos (ECR) rejeitam totalmente esta audição.

Recorde-se que este caso fez tremer as relações diplomáticas entre a União Europeia e os Estados Unidos. O ex-consultor desviou cerca de 1,7 milhões de documentos altamente secretos sobre o programa de vigilância da administração norte-americana. Esses documentos, divulgados pela pela imprensa, revelaram que foram feitas escutas telefónicas e intercepção de informação via internet de milhares de cidadãos, incluindo líderes estrangeiros como a chanceler alemã, Angela Merkel, e a Presidente brasileira, Dilma Rousseff.

Snowden é acusado de duas violações do Espionage Act, por divulgação não autorizada de informação classificada, e de uma terceira, de roubo de propriedade governamental. O antigo analista incorre em penas de prisão que pode ir até aos 30 anos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.