Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Grécia paralisada com greve geral

Grécia paralisada com greve geral
Tamanho do texto Aa Aa

Em dia de greve geral, convocada pelos sindicatos dos setores público e privado, milhares de gregos saíram às ruas, em Atenas e noutras cidade do país.

Exigem a demissão do governo e manifestam-se contra a reforma do setor laboral, que visa agilizar os despedimentos e, em geral, contra a política de austeridade do governo.

“O povo grego não pode continuar a aguentar isto. As negociações com a troika deviam acabar já”, diz um manifestante. Uma senhora acrescenta: “Estou triste com o que está a acontecer no meu país. O povo grego devia levantar-se”.

A greve acontece na altura em que, após dois dias de negociações, em Paris, o governo grego e a troika não chegaram a acordo para encerrar a última avaliação à economia do país.

A oposição aproveita a vaga de protestos e critica, também, o governo. “Hoje, podemos confirmar que a estratégia do ‘bom aluno obediente’, que o governo de Samaras tem seguido nos últimos dois anos e meio, nos trouxe para uma situação ainda pior do que em 2012”, acusa Alexis Tsipras, líder do Partido Syriza.

As confederações sindicais já apelaram a uma nova jornada de luta, agendada para 7 de dezembro, véspera do voto, no parlamento, do novo orçamento.

“Apesar de a economia grega dar sinais de crescimento, a maioria dos trabalhadores mal consegue sentir a diferença, já que os salários continuam a encolher – e o desemprego continua elevadíssimo. O resultado, é que o movimento antiausteridade continua a ganhar força através de todo o país”, explica Stamatis Giannisis, correspondente da euronews em Atenas.