Última hora
This content is not available in your region

Processo de paz "congelado" até às próximas eleições em Israel

Processo de paz "congelado" até às próximas eleições em Israel
Tamanho do texto Aa Aa

O processo de paz com os palestinianos deixou de ser uma prioridade do governo israelita, pelo menos até às próximas eleições em março.

O fórum Saban deste fim de semana, em Washington, ilustrou o impasse atual, ao reunir responsáveis americanos e israelitas para discutir as relações bilateriais.

Uma oportunidade para o primeiro-ministro israelita, Benjamin Nethanyahu de acusar os palestinianos do fracasso das negociações, numa intervenção previamente gravada.

Já para o responsável da diplomacia norte-americana, John Kerry, “o impasse é insustentável e as alternativas à paz não são viáveis nem aceitáveis. Isto não pode continuar. Há demasiados mortos israelitas e palestinianos e temos que fazer tudo para evitar mais vítimas inocentes e acalmar a tensão atual”.

O encontro serviu antes de mais para tentar dissipar a tensão entre Washington e Israel e defender a aliança militar entre os dois países.

Um argumento primordial para Hillary Clinton, na reta da campanha para as presidenciais de 2016.

“É importante prosseguir o apoio institucional dos Estados Unidos a Israel, independentemente da liderança do país, dos militares e das forças de segurança”, afirmou Clinton.

Do lado israelita, o encontro serviu para que o atual governo recordasse a sua posição cada vez mais inflexível quanto à presença, a longo prazo, das suas forças militares nos territórios palestinianos.

Um discurso de campanha quando Nethanyahu dissolveu recentemente o executivo, após demitir dois ministros centristas, à espera de poder formar um novo governo, mais à direita, em março.