Direitos civis regressam à ordem do dia nos Estados Unidos

Direitos civis regressam à ordem do dia nos Estados Unidos
De  Marco Lemos com AFP, Reuters, EFE, APTN
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O protesto contra a violência policial injustificada chegou à NBA. "I can't breathe", as últimas palavras de Eric Garner surgiram estampadas nas camisolas de LeBron James e Kobe Bryant, entre outros.

PUBLICIDADE

“Mãos ao alto, não disparem”: Palavras de ordem que ecoam pelos quatro cantos dos Estados Unidos, mote de milhares de americanos para denunciar a violência policial injustificada, em particular contra os negros.

Em Chicago, pelo menos seis pessoas foram detidas na manifestação deste sábado.

Em Washington, o reverendo Al Sharpton, recordou que a América é feita de “negros, brancos, jovens e velhos”.

Desde a morte de um jovem negro desarmado, Michael Brown, baleado por um polícia branco, em agosto, que os Estados Unidos atravessam o pior período de tensões raciais em mais de uma década.

As recentes decisões de não avançar com processos criminais contra os polícias brancos que abateram Brown e sufocaram Eric Garner foram a gota de água para muitos americanos das mais diversas raças e credos.

Os manifestantes exigem “justiça para todos” e pedem ao Congresso que aprove uma lei que proíba a polícia de realizar perfis raciais.

O protesto chegou mesmo à NBA. Estrelas do basquetebol, como LeBron James ou Kobe Bryant, entraram em campo envergando uma t-shirt com a expressão “I can’t breathe”, “não consigo respirar”, as palavras pronunciadas por Garner quando estava a ser sufocado até à morte pela polícia.

Os direitos civis voltaram ao topo da agenda política norte-americana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Absolvição de polícias acusados de matar homem negro causa revolta nos EUA

Criança de seis anos assassinada por motivações religiosas nos Estados Unidos

Vítimas da violência na Irlanda do Norte põem governo em tribunal