A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Jornal turco distribuiu encarte do Charlie Hebdo

Jornal turco distribuiu encarte do Charlie Hebdo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de um controlo da polícia durante a noite, o diário turco Cumhuriyet, inimigo jurado do presidente Recep Tayyip Erdogan, distribuiu na sua edição desta quarta-feira um encarte de quatro páginas em turco com o essencial do último número do Charlie Hebdo, incluindo a primeira página.

“Há uma imagem do Islão que o Cumhuriyet tenta alterar. Ou seja, para algumas pessoas este é um motivo suficiente para matar. Com esta publicação negamos essa forma de pensar”, disse Mustafa Kemal Erdemol, editor.

O jornal turco enfrentou sozinho as pressões e ameaças, já que foi, até agora, o único órgão da imprensa a ousar publicar caricaturas do Profeta num país muçulmano.

“Estou num dilema. Sob o ponto de vista da Iiberdade de imprensa, deve ser publicado. Mas, pelo respeito às diferentes crenças, não é aceite fazer um desenho de Maomé. Acho que isso devia ser respeitado pelos ocidentais”, afirmou um habitante de Istambul.

“Devido à liberdade de pensamento todos devem poder escrever o que intenderem. A liberdade depende dos direitos das minorias. Todos são livres desde que haja liberdade para as minorias. A liberdade pode ser avaliada pela liberdade dos que são diferentes”, sublinhou outro.

“Eu condeno este ato. Estamos num país muçulmano e este tipo de ações não é bom. Nas comunidades islâmicas é condenável caricaturar o nosso querido profeta”, disse outro.

Fundado em 1924 por um próximo do pai da Turquia moderna e laica, Mustafa Kemal Ataturk, o Cumhuriyet tendo sido alvo de vários processos e atentados nos últimos anos.