EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Israel-Hezbollah: escalada de violência no Líbano

Israel-Hezbollah: escalada de violência no Líbano
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O exército israelita disparou esta quarta-feira pelo menos 50 granadas de morteiro contra posições da guerrilha xiita do Hezbollah no sul do Líbano

PUBLICIDADE

O exército israelita disparou esta quarta-feira pelo menos 50 granadas de morteiro contra posições da guerrilha xiita do Hezbollah no sul do Líbano, numa escalada de violência que faz recordar a guerra dos 34 dias em 2006.

Um dos mísseis disparados por Israel atingiu mortalmente um capacete azul espanhol. A operação militar israelita foi uma resposta ao ataque do Hezbollah, que matara dois soldados israelitas, ferindo outros sete.

Os cinco soldados israelitas feridos foram internados no hospital de Safed, na Galileia, e outros dois no hospital de Rambam, em Haifa.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu reagiu com firmeza aos ataques do Hezbollah, prometendo que o seu governo está pronto a responder “em força, em todas as frentes”.

“Quem quer que esteja por trás do ataque de hoje, vai pagar um preço alto. Já há algum tempo que o Irão, através do Hezbollah, tenta estabelecer uma frente terrorista adicional contra nós, a partir dos montes Golã.Tomaremos medidas fortes e responsáveis contra esses planos.”, disse Netanyahu.

Entretanto, na povoação de KafarKila, no sul do Líbano, junto à fronteira com Israel, apoiantes do Hezbollah saíram à rua para festejar a operação militar xiita.

A tensão está ao rubro na região desde 18 de janeiro, quando um ataque israelita matou seis membros do Hezbollah, entre os quais um general iraniano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Militar espanhol da ONU foi morto por fogo israelita

"Bola está do lado de Israel", diz representante político do Hamas

Borrell no Líbano: "Este conflito é a última coisa de que o país precisa"