Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Jordânia promete vingar piloto queimado vivo

Jordânia promete vingar piloto queimado vivo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma vaga de revolta está a abalar a Jordânia, um dia após o anúncio da execução de um piloto da força aérea do país pelo grupo Estado Islâmico

Peço a Deus e ao governo jordano que vinguem o sangue do meu filho.

As autoridades jordanas enforcaram, esta manhã, dois jihadistas condenados à morte, na prisão de Saqwa, em resposta ao gesto brutal do grupo armado. Entre eles estava Sajida al-Rishawi, a bombista que os islamitas queriam trocar pelo piloto jordano, na semana passada.

O Rei Abdullah II já regressou dos Estados Unidos. Foi forçado a interromper a viagem e promete responder ao que chama uma “agressão brutal”.

Um vídeo difundido ontem na Internet e gravado no início de janeiro, a data da execução do piloto, mostra Muath al-Kasaesbeh a ser queimado vivo dentro de uma jaula. Kasaesbeh tinha sido sequestrado pelo grupo, em dezembro, depois do caça F-16 que pilotava se ter despenhado na Síria.

Na aldeia-natal do piloto, os habitantes dizem estar prontos a pegar nas armas para combater o grupo Estado Islâmico na Síria.

Diz Safi al-Kasaesbeh, pai do piloto: “Para mim, Muath é um mártir e se deus quiser estará agora no céu com outros mártires, pessoas boas e profetas. A minha paciência é imensa e é por isso que peço a deus e ao governo jordano que vinguem o sangue do meu filho”.

Muath era oriundo de uma das tribos mais influentes na Jordânia, considerada próxima do Rei, o que pode fazer com que a reação seja ainda mais dura.