This content is not available in your region

Países do Médio Oriente combatem Estado Islâmico

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AFP, Reuters
Países do Médio Oriente combatem Estado Islâmico

O Hotel Corinthia, em pleno centro de Tripoli, capital líbia, ficou em ruínas depois do atentado de 27 de janeiro passado. Homens armados entraram pela receção, onde se encontrava o primeiro-ministro líbio e uma delegação norte-americana. Mataram uma dezena de pessoas, clamando pelo grupo “Estado Islâmico”.

Este foi o mais mortífero ataque a estrangeiros depois da queda de Kadhafi, em 2011. Desde então, a Líbia está dividida por bastiões de clãs armados rivais, com dois governos e apenas um reconhecido pela comunidade internacional. Neste caos, o país transformou-se em autêntico santuário para os jihadistas, que atacam em diferentes países, em simultâneo. Agora, já estão a desafiar o Egito.

Pela primeira vez, o Egito reconheceu ter bombardeado posições do autoproclamado Estado Islâmico em Derna; a aviação líbia bombardeou Sirte e Ben Jawad. Mas o Egito enfrenta a mesma ameaça no Monte Sinai.

O grupo armado sediado na península Ansar Bayt al-Maqdis, agora nomeada Província do Sinai, ignora completamente o governo egípcio desde a queda de Morsi e declarou obediência ao grupo mais temível dos jihdistas islâmicos, utilizando os mesmos métodos de propaganda baseada no terror e nas decapitações.

O Egito manteve-se afastado da coligação dos Estados Unidos contra o EI, preferindo concentrar-se nos problemas internos causados pelos revoltosos islâmicos.

Não é o caso da Jordânia, que integra a coligação. Os caças jordanos participaram nos bombardeamentos e efetuaram operações de represália pelo “Mártir Muath” contra as posições jihadistas na Síria,a seguir ao assassinato de um piloto capturado (foi queimado vivo)

Outros países árabes participam na coligação, como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. No entanto, todos sabem que não o fazem por estratégia de luta contra o EI, mas sim para ajudar a progressão dos pesmerghas curdos no terreno, onde combatem os jihadistas no norte do Iraque.

Os combatentes do autoproclamado Estado Islâmico têm todo o armamento pesado deixado ao exército iraquiano.