EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ucrânia: OSCE vigia retirada de armas pesadas

Ucrânia: OSCE vigia retirada de armas pesadas
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Exército ucraniano começou a retirar as armas pesadas da linha da frente, no leste do país, onde o cessar-fogo parece estar a ganhar terreno.

PUBLICIDADE

O Exército ucraniano começou a retirar as armas pesadas da linha da frente, no leste do país, onde o cessar-fogo parece estar a ganhar terreno.

A primeira fase da retirada, que inclui os canhões de cem milímetros, está a ser vigiada por observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

Um porta-voz do Exército explica que a situação acalmou em Lugansk, Debaltseve e Donetsk, onde “quase não se assistiu a quedas de projéteis”, mas acrescenta que “houve disparos contra posições militares na região de Mariupol, em particular na aldeia de Shyrokino. Aí, houve tanto tentativas para atacar as forças ucranianas, como a própria aldeia”.

Os Estados Unidos temem que a cidade costeira de Mariupol seja o próximo alvo dos separatistas pró-russos.

Do lado rebelde, o porta-voz da autoproclamada República Popular de Donetsk acusa o Exército ucraniano de “continuar a reforçar posições na linha da frente” e diz que as posições separatistas “foram visadas, […] perto de Shyrokino, pelas forças ucranianas”, numa zona “onde a situação se mantém tensa”.

Apesar da relativa acalmia, os disparos e confrontos esporádicos fazem temer pelo frágil cessar-fogo.

O correspondente da euronews, Sergio Cantone, afirma que “mesmo se os acordos de Minsk parecem estar a ser, mais ou menos, respeitados, é importante perceber o que vai acontecer a nível político, já que há um risco elevado de que os combates sejam retomados. E é esse o sentimento da população na linha da frente”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exército ucraniano inicia retirada de armas pesadas

Ucrânia vive primeiro dia de trégua sem baixas

Rússia/Ucrânia: guerra do gás volta a ensombrar a Europa