Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Africanos pedem Plano Marshall para recuperar do Ébola

Africanos pedem Plano Marshall para recuperar do Ébola
Tamanho do texto Aa Aa

Este é o primeiro dia de escola, na Libéria, depois de um encerramento de sete meses por causa da epidemia do Ébola. É a consequência da descida significativa do número de casos detetados desde o início de 2015.
A Libéria reabre as escolas, quatro semanas depois da Guiné e seis semanas depois da Serra Leoa. Os três países estão no epicentro da epidemia desencadeada em dezembro de 2013: infetou 23500 pessoas, das quais 9380 faleceram, segundo o mais recente balanço da OMS.

Cerca de 60% dos pacientes do Ébola não sobreviveram. Musa Pabai é um sobrevivente. Teve alta do hospital em novembro passado, mas é a primeira vez que entra em casa. Autoexilou-se para proteger a mulher do contágio.

Leen Verhenne, coodenadora médica do Centro de Tratamento do Ébola:

“O sémen fica infetado durante 90 dias, mesmo depois de desaparecerem os sintomas. Neste caso, todos os sobreviventes masculinos que viveram nas nossas instalações, levam com eles prservativos gratuitos para o período que que o vírus ainda está ativo, é importante terem relações sexuais protegidas”.

Segundo os especialistas, o recuo do Ébola deve à aplicação de melhores regras de higiene, lavagem de mãos, traçabilidade e registo dos contactos, assim como mudança dos rituais de entrerros que facilitavam o contágio – tocavam os mortos em caixões abertos. O contágio começou a desacelarar, o que era o objetivo da OMS, que pretende 0 casos em abril.
O Ébola também afetou o sistema de saúde destes três países da África Ocidental, assim como as suas economias.

O PIB da região afetada caiu 12 %, a produção agrícola ficou reduzida a metade. Os analistas consideram que é necessário um apoio a longo prazo para enfrentar o desastroso impacto económico e social da epidemia.

A presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, defende que é preciso um Plano Marshal para recuperar economicamente e vencer a guerra contra o vírus.

Mas é preciso combater os preconceitos, as teorias da conspiração em torno da epidemia, o estigma dos sobreviventes e certos hábitos, para pode vencer definitivamente o Ébola.